Receio com articulação do governo na Previdência pesa e juros futuros sobem

O mercado de juros começou a semana sob cautela e com taxas em alta a partir do miolo da curva,…


O mercado de juros começou a semana sob cautela e com taxas em alta a partir do miolo da curva, refletindo as preocupações com o andamento da reforma da Previdência, dada a percepção sobre as dificuldades do governo em sua articulação política. Após passarem boa parte desta segunda-feira, 25, oscilando ao redor dos ajustes anteriores, as taxas se firmaram em alta no fim da sessão regular, depois de declarações do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Outro fator que está gerando incômodo no mercado é o noticiário em torno da Venezuela, não pelo risco de uma intervenção militar em si, mas, segundo os operadores, pelo receio de que isso possa desviar o foco do governo na questão da Previdência.

No fechamento das 18h, a taxa do Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2020 fechou em 6,470%, de 6,440% no ajuste anterior. A do DI para janeiro de 2021 encerrou em 7,12%, de 7,051% no ajuste de sexta-feira, e a do DI para janeiro de 2023 encerrou em 8,24%, de 8,152%. A taxa do DI para janeiro de 2025 terminou em 8,76% (máxima), de 8,682%.

A decisão do presidente americano, Donald Trump, de estender a trégua tarifária com a China, que terminaria em 1º de março, ajudou as taxas a caírem na abertura, junto com o dólar, mas ao longo da sessão a queda da moeda perdeu força com a piora do petróleo e as taxas passaram a rondar os ajustes. Em paralelo, os receios com a tramitação da reforma da Previdência também foram contaminando o mercado.

A princípio, a expectativa de que a da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, por onde a proposta vai começar a tramitar no Congresso, fosse instalada nesta terça colaborava para evitar uma deterioração ainda maior, segurando as taxas perto da estabilidade. À tarde, porém, Maia admitiu que a instalação deve acontecer apenas depois do carnaval. Ele alegou que ainda precisa conversar com o PT para fechar o desenho das comissões permanentes da Casa – e o líder do partido, Paulo Pimenta, disse que, nesse sentido, “não há pressa”. Maia afirmou também que o adiamento pode dar mais tempo ao governo para organizar sua base. “A organização do governo ainda está lenta”, alertou.

“A dúvida é sobre o quanto tem de desidratar a proposta para conseguir os votos que faltam. O nível de desidratação deve ser muito proporcional à articulação política e esta é uma incógnita”, afirmou o gestor de renda fixa da GS Research, Renan Sujii.

Sujii afirma ainda que há certo receio de que o noticiário da Previdência perca um pouco de espaço pelo agravamento da questão da Venezuela, na medida em que o mercado quer o governo 100% focado na Proposta de Emenda à Constituição (PEC). O vice-presidente Hamilton Mourão descartou possibilidade de o Brasil abrir seu território para tropas americanas entrarem no país vizinho caso ocorra um conflito armado. “O Brasil não considera isso em hipótese alguma.”

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora

Receba nossa newsletter!