18 de setembro de 2020 Atualizado 19:42

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Cuidados

Quer empreender em 2020?

Confira as dicas do professor de Gestão Financeira da Faculdades Anhanguera, Marco Cordeiro

Por Agência Estado

05 jan 2020 às 08:40 • Última atualização 27 abr 2020 às 10:17

As promessas de melhorar de vida, ter o próprio negócio, ganhar muito dinheiro e dar o pulo do gato nas questões financeiras costumam surgir junto com a virada do ano. Pensar em algumas questões antes de realmente “colocar o bloco na rua” pode ajudar na sobrevivência e sucesso do empreendimento.

Escolher um ramo do qual se tem conhecimento ou domine já pode ser um bom caminho andado. Gostar da atividade também só favorece o empreendedor. Mas além dessas condições mais básicas, que são importantes, mas não suficientes para bons resultados, há aspectos mais técnicos que precisam ser considerados.

Foto: Adobe Stock
Escolher um ramo do qual se tem conhecimento ou domine já pode ser um bom caminho andado

Quem faz um roteiro de temas relevantes para os interessados em montar o próprio negócio é o professor de Gestão Financeira da Faculdades Anhanguera, Marco Cordeiro. Ele começa apontando uma condição que considera fundamental para quem vai iniciar no empreendedorismo e não está habituado a administrar as finanças.

“O dinheiro da empresa não pode ser misturado com o dinheiro do empresário na pessoa física” afirma. “É preciso ter contas separadas”. O professor explica que o iniciante nem sempre leva em conta custos que vão desde a conta de energia elétrica do telefone, combustível até os de reposição de estoque, compra de materiais para nova rodada de produção, e assim por diante para manter a empresa funcionando.

“É comum o empresário fazer confusão, porque ele acredita que o dinheiro é um só, e não é”. No caso, o empresário precisa separar uma quantia para ele, o pró-labore, para pagar as despesas pessoais e o restante é da empresa para bancar as despesas do empreendimento. O risco aí é de gastar o dinheiro necessário para cobertura das necessidades da empresa, as que estavam e as que não estavam previstas.

O LUCRO

Um segundo passo, para Cordeiro, é ter a consciência real do que é o lucro no negócio. E nessa conta é preciso descontar do resultado das vendas o que vai para o fornecedor, para os salários de empregados, para pagamento das despesas como água, luz, telefone, para os impostos ou para qualquer outra operação que tenha levado parte do lucro, como adiantamento de recebíveis com o banco em que é cobrada uma taxa de juros. Somente descendo a esse nível de detalhe será possível encontrar o lucro com nível de precisão.

Ficar atento a prazos é outro cuidado a ser tomado pelo empresário. “Se eu tenho um determinado prazo para pagar o fornecedor, é esse também o prazo limite que posso conceder a quem comprou de mim”, ensina o especialista. Se houver descasamento e o prazo dado ao cliente for maior do que o concedido pelo fornecedor, o empresário será obrigado a financiar os dias da diferença entre um e outro, o que pode levar boa parte dos ganhos.

“Tem gente é que é muito boa no que faz, mas na hora de empreender não toma essas providências e acaba no prejuízo”, sentencia ele. No caso de prestador de serviço há um cuidado extra, para que o negócio tenha vida longa, o de não ficar na mão de apenas um cliente. “O ideal é ampliar sempre que possível o conjunto de clientes, se um deles desistir haverá tempo para ir tocando as coisas enquanto se faz a captação de novos trabalhos”. Regina Pitoscia_Agência Estado

Perfil de empreendedor

O candidato a empresário também precisa ter perfil de empreendedor e procurar conhecer muito bem o ramo de negócios em que vai atuar. “Não adianta montar o próprio negócio achando que vai trabalhar menos do que quando era empregado”, afirma o professor de Gestão Financeira da Faculdades Anhanguera, Marco Cordeiro.

Vai trabalhar mais, porque será preciso pensar em tudo e especialmente porque terá de cuidar da qualidade. Ainda que não esteja diretamente ligado à produção terá de supervisionar, terá de verificar o que a concorrência está fazendo para atualizar-se. “Há tarefas que não será possível delegar. É o olho do dono que engorda o boi”.

Ainda que a palavra inovação esteja muito em moda é preciso ter cautela com ela em início de atividade. O professor pondera que o importante é oferecer o que tem demanda e muitas vezes isso representa o clássico, não o novo. “Só quem já estiver estruturado e que não terá problemas se deixar de vender é que deve pensar em inovar com algo diferenciado”.

Marco valoriza a inovação, como a de empresas como a Ifood ou Uber, mas para que seja sinônimo de sucesso logo de início ela precisa trazer uma boa ideia, que venha atender a uma necessidade de mercado, a uma insatisfação da clientela.

Publicidade