26 de junho de 2022 Atualizado 00:09

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Economia

Petrobras faz avaliação ambiental de eólica offshore na Bacia de Campos

Por Agência Estado

18 de maio de 2022, às 20h31 • Última atualização em 18 de maio de 2022, às 21h09

A Petrobras comunicou que avalia, junto da empresa de energia norueguesa Equinor, a viabilidade ambiental de um parque eólico offshore em Aracatu, na Bacia de Campos, a 20 quilômetros da costa. O projeto em avaliação consiste em parque eólico offshore com capacidade de geração de 4 gigawatts (GW).

O comunicado formaliza as informações dadas pelo presidente da estatal, José Mauro Ferreira Coelho, nesta quarta-feira, pela manhã, em painel do congresso ‘Mercado Global de Carbono – Descarbonização & Investimentos Verdes’, que acontece até sexta-feira no Jardim Botânico do Rio de Janeiro, zona Sul da cidade.

Na ocasião, Coelho disse que o Brasil tem “grande potencial para eólica offshore” e que esse modelo de geração guarda “sinergia com a experiência, a liderança e a competência” da Petrobras no ambiente marítimo, principalmente em águas profundas e ultraprofundas. Eólicas offshore, disse ele, são uma das alternativas verdes da companhia, ao lado do desenvolvimento e produção de biocombustíveis avançados.

Segundo a Petrobras, a avaliação conjunta é fruto de parceria firmada com a Equinor ainda em 2018 e está alinhada ao Plano Estratégico da companhia para os anos 2022-2026. A ficha de caracterização ambiental do Projeto Aracatu, documento necessário no processo de licenciamento ambiental, foi protocolada em agosto de 2020, informou a companhia.

O estudo conta com o suporte do programa de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) do Centro de Pesquisas e Inovação da companhia (Cenpes), com foco em reduzir riscos e acelerar ganhos de maturidade tecnológica.

Em nota, o diretor de Relacionamento Institucional e Sustentabilidade da Petrobras, Rafael Chaves, disse que o potencial brasileiro para geração de energia eólica offshore traz “oportunidades promissoras de diversificação da matriz energética do País”.

Assim como a geração eólica em terra, a tecnologia associada à geração eólica offshore usa a força dos ventos para a produção de energia renovável, mas opera com equipamentos de grandes dimensões e entrega grandes volumes de energia.

Publicidade