Para destravar megaleilão, Congresso quer benefício para Cemig e gasodutos

A disputa pelos mais de R$ 100 bilhões que podem ser arrecadados com o megaleilão do pré-sal - ainda sem…


A disputa pelos mais de R$ 100 bilhões que podem ser arrecadados com o megaleilão do pré-sal – ainda sem data para acontecer – só aumenta no Congresso Nacional. A partilha dos recursos está sendo usada como moeda de troca para que os parlamentares incluam outras benesses no projeto a contragosto do que defendem as equipes econômicas de Michel Temer e do presidente eleito Jair Bolsonaro.

Na Câmara, o projeto que destina 30% dos recursos do Fundo Social do Pré-Sal a Estado e municípios foi usado como “barriga de aluguel” para permitir o perdão a uma dívida bilionária da Cemig, estatal mineira de energia, e financiamento barato para empresas que constroem gasodutos e exploram serviços de gás no País. Nesta terça-feira, 4, governadores do Norte e Nordeste foram ao Congresso para pressionar pela aprovação.

Deputados e senadores insistem na tramitação desse texto, que também é defendido pela área política do governo. Em paralelo, no Senado, tramita o projeto que destrava o leilão, ao estabelecer regras para a disputa.

O Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado, apurou, no entanto, que o ministro da Fazenda Eduardo Guardia já acertou com o sucessor Paulo Guedes adiar para o ano que vem a votação do projeto que viabiliza o megaleilão de petróleo das áreas de cessão onerosa. Contribuiu para o acordo a indicação do Tribunal de Contas da União (TCU) de que não vai criar empecilho ao leilão caso o projeto não seja aprovado pelos parlamentares.

A cessão onerosa foi um acordo fechado em 2010 entre a União e a Petrobrás que permitiu à estatal explorar 5 bilhões de barris na Bacia de Santos (SP), sem licitação. Em troca, a empresa pagou R$ 74,8 bilhões. A cotação do petróleo caiu muito nos anos seguintes, motivada por tensões geopolíticas, entre outros fatores. A Petrobrás argumenta que pagou à União um valor muito alto e precisa ser ressarcida.

Segundo apurou o Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado, com fontes no governo, no Congresso e no setor privado, por trás da promessa de divisão de recursos da União estão interesses da bancada mineira e das empresas do setor de gás. Pelas negociações de lideranças nas duas Casas, a votação desse projeto na Câmara faz parte de uma “operação casada” que envolve o projeto de lei no Senado. Aproveitando o interesse da União em realizar o leilão, os governadores também decidiram cobrar sua parte.

O interesse é tamanho que o projeto de lei chegou à Câmara e já teve um pedido de urgência apresentado pelo deputado Afonso Florence (PT-BA) e assinado por vários parlamentares. Isso significa que a proposta terá tramitação acelerada e poderá ser votada diretamente no Plenário da Casa, sem que seja preciso tramitar nas comissões temáticas, como é de praxe.

A equipe de transição vê o projeto de lei com muita preocupação, pois ele prevê perdão de uma dívida potencial em favor da Cemig e desvia recursos que iriam para saúde e educação para o fundo de expansão de gasodutos, beneficiando poucas empresas. Apesar do perdão, o Senado, onde o projeto teve origem, não fez uma estimativa de renúncia nem um cálculo da compensação, o que viola a Lei de Responsabilidade Fiscal e a emenda constitucional do teto de gastos, mecanismo que proíbe que as despesas cresçam em ritmo superior à inflação. Destinar recursos do fundo para Estados e municípios também viola o teto e pode ameaçar o resultado primário de 2019. Por isso, a Fazenda não apoia a medida.

“É uma troca perversa, que tira recursos da área social para subsidiar investimentos privados. Claro que a conta vai sobrar para o contribuinte e para o consumidor. É um grande equívoco”, afirmou o presidente da Associação Brasileira de Grandes Consumidores (Abrace), Edvaldo Alves de Santana.

O governador do Ceará, Camilo Santana, disse que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), se comprometeu a colocar em votação ainda nesta semana o projeto de lei.

Os Ministérios da Fazenda e de Minas e Energia não responderam. A Cemig não quis se pronunciar. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora

Receba nossa newsletter!