27 de fevereiro de 2021 Atualizado 11:01

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Economia

País negocia reduzir Tarifa Externa Comum do Mercosul

Por Agência Estado

19 fev 2021 às 08:17 • Última atualização 19 fev 2021 às 10:29

O governo brasileiro negocia a redução da Tarifa Externa Comum (TEC) do Mercosul em pelo menos 20% a partir de 2021. Segundo apurou o Estadão/Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, a ideia está em discussão na equipe econômica.

A intenção é que o corte seja gradual, mas já iniciando neste ano. Também está em análise a redução de tarifas de importação sobre bens de capital e de informática, o que pode ser feito sem o aval do Mercosul.

O próprio ministro da Economia, Paulo Guedes, disse na quinta-feira, dia 11, em evento virtual, que anunciaria em breve “passos para a reabertura da economia”.

A redução de tarifas, porém, não foi bem recebida pelo setor privado e parte da equipe do ministro acha que não é hora de abrir mais a economia brasileira, por causa da pandemia. Segundo o Estadão/Broadcast apurou, Guedes é favorável à abertura – que vem sendo prometida por ele desde a campanha de 2018 -, mas, diante da reação do setor privado, o ministro ainda não bateu o martelo sobre como e quando isso será feito.

A TEC é a tarifa cobrada por todos os países do Mercosul na importação de produtos de fora do bloco e hoje está em média em 13,5%.

Procurada, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) defendeu a abertura comercial por meio de uma agenda de negociação de “acordos equilibrados e do aprofundamento da agenda econômica do Mercosul”. “No âmbito do Mercosul, qualquer alteração da TEC deve, necessariamente, passar primeiro por consulta pública abrangente, com a participação de representações empresariais de todos os setores econômicos do Brasil e dos demais países do bloco”, afirmou, em nota.

A CNI disse ainda que o acesso ao mercado brasileiro de maneira negociada traz “menores riscos econômicos e sociais, entre eles o do aumento no desemprego”. L
As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Publicidade