04 de junho de 2020 Atualizado 18:19

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Economia

Onyx diz que filas da Caixa ocorrem por causa da ‘natureza’ dos brasileiros

Por Agência Estado

30 abr 2020 às 19:40 • Última atualização 30 abr 2020 às 21:25

O ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, afirmou que as filas em agências da Caixa para recebimento do auxílio emergencial de R$ 600 a informais ocorrem em razão da “natureza” e “cultura” dos brasileiros, que têm dificuldade para acessar o aplicativo criado pelo governo.

Segundo ele, as aglomerações devem continuar a ocorrer nas agências até o final do programa, previsto até julho. O benefício contempla milhões de pessoas consideradas “invisíveis”, que, em diversos casos, não possuem registro civil e acesso à internet.

“Tem uma parcela da população que não usa o aplicativo, quer dizer, não usa o sistema digital… Ela precisa ir na Caixa, ver o dinheiro, pegar o dinheiro, é uma tradição de algumas pessoas, particularmente as de mais idade”, disse Onyx.

Onyx admitiu que esta é uma dificuldade do governo. “Acredito que algum grau de fila nas agências da Caixa vai ter até o final do programa porque é da natureza nossa, da própria cultura.”

Ainda de acordo com o ministro, o governo já analisou até o momento o cadastro de cerca de 95 milhões de pessoas que pedem o auxílio emergencial. Dessas, 45 milhões já receberam a primeira parcela do auxílio e 5 milhões devem receber ainda nesta semana.

Outras 13,6 milhões terão que refazer o cadastro por algum tipo de inconsistência no registro. Há ainda, 32,8 milhões que foram consideradas inelegíveis.

Com os cadastros feitos até o momento, o custo do programa é calculado em cerca de R$ 120 bilhões. Segundo Onyx, no entanto, a expectativa é que outros “invisíveis” sejam identificados, o que pode aumentar o valor.