24 de junho de 2021 Atualizado 06:41

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Economia

Leilão de aeroportos regionais de SP terá como destaque bloco de Ribeirão Preto

Por Agência Estado

10 Maio 2021 às 18:23 • Última atualização 10 Maio 2021 às 19:56

O leilão de 22 aeroportos regionais de São Paulo, previsto para o próximo dia 15 de julho, na B3, terá como grande destaque o bloco Sudeste que, entre outros ativos, é composto pelo terminal de Ribeirão Preto. Nesta segunda-feira, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), reforçou em sua conta do Twitter a data do leilão e a estimativa de atração de investimentos da ordem de R$ 450 milhões.

Segundo o governo, dos 22 aeroportos, seis já contam com serviços de aviação comercial regular e 13 têm potencial de desenvolvimento de novas rotas regulares durante a concessão.

Juntos, os terminais movimentam atualmente 2,4 milhões de passageiros por ano, considerando embarques e desembarques.

Com os novos investimentos, estimativas técnicas do governo preveem um salto para mais de 8 milhões de passageiros anuais ao longo dos 30 anos de contrato de concessão.

O leilão será feito em dois blocos. O grupo Sudeste é composto por 11 ativos, sendo Ribeirão Preto a joia da coroa. Bauru-Arealva, Marília, Araraquara, São Carlos, Sorocaba, Franca, Guaratinguetá, Avaré-Arandu, Registro e São Manuel completam o lote.

No total, estão previstos R$ 266,5 milhões em investimentos para o bloco Sudeste ao longo do contrato de concessão, sendo os valores distribuídos para ampliação de capacidade, melhoria da operação e adequação à regulação. Estão previstos para os primeiros quatro anos de operação R$ 75,5 milhões.

O lote Noroeste é composto também por 11 ativos, encabeçados por São José do Rio Preto, além dos aeroportos comerciais de Presidente Prudente, Araçatuba e Barretos, e os aeródromos de Assis, Dracena, Votuporanga, Penápolis, Tupã, Andradina, Presidente Epitácio. No total, estão previstos R$ 181,2 milhões em investimentos no bloco . Para os primeiros quatro anos de operação, a previsão é de R$ 62,3 milhões.

A outorga mínima prevista para o bloco Noroeste é de R$ 6,8 milhões e, para o Sudeste, R$ 13,2 milhões.

Publicidade