24 de setembro de 2020 Atualizado 08:21

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Economia

IPO da Locaweb pode movimentar R$ 1,4 bilhão

Por Agência Estado

16 jan 2020 às 07:07 • Última atualização 16 jan 2020 às 09:45

A oferta inicial de ações da empresa de hospedagem de sites Locaweb poderá movimentar até R$ 1,39 bilhão. O valor será alcançado caso a ação seja fixada no teto da faixa indicativa de preço, de R$ 14,25 a R$ 17,25, e os lotes extras de papéis sejam vendidos. O valor da ação será definido no dia 4 de fevereiro. A Locaweb estreará em 6 de fevereiro na B3 e será listada no Novo Mercado, segmento de maior exigência de governança da Bolsa brasileira.

O IPO incluirá uma oferta primária – com a emissão de novas ações, cuja venda será usada para abastecer o caixa do negócio – e também secundária, na qual acionistas atuais vão vender os papéis que já detêm. Entre os vendedores estão o fundo de private equity americano Silver Lake, focado em investimentos em empresas de tecnologia, e pessoas físicas.

O presidente da Locaweb, Fernando Cirne, é um dos vendedores, conforme o prospecto do IPO. A Silver Lake planeja sair totalmente da companhia, enquanto integrantes da família Gora, fundadora do negócio, também deverão vender parte de seus papéis.

Do total da oferta, até R$ 575 milhões podem ir para o caixa da empresa – considerando os mesmos critérios a serem cumpridos para o IPO atingir R$ 1,39 bilhão. Esse dinheiro, segundo o prospecto do IPO, será destinado para potenciais aquisições e para capital de giro.

Resultados.
Nos nove primeiros meses do ano passado, o lucro líquido da Locaweb atingiu R$ 11,1 milhões, ante R$ 5,5 milhões no mesmo intervalo de 2018. O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações), no mesmo intervalo, foi de R$ 80,7 milhões, crescimento de 43,1% na mesma comparação. A receita operacional líquida somou, de janeiro a setembro do ano passado, R$ 280,5 milhões, uma expansão de 21,3% sobre o mesmo período de 2018.

Os coordenadores da oferta são Itaú BBA, Goldman Sachs, Morgan Stanley e XP Investimentos.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Publicidade