22 de setembro de 2020 Atualizado 15:43

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Economia

IBC-Br acima da mediana das estimativas dá alívio ao Ibovespa, mas Petrobras pesa

Por Agência Estado

16 jan 2020 às 11:13 • Última atualização 16 jan 2020 às 12:56

O resultado melhor que o esperado conforme a mediana das estimativas na pesquisa do Projeções Broadcast do Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) de novembro ampara alta do Ibovespa nesta quinta-feira, 16. Isso porque investidores têm se apoiado mais em números sobre o comportamento da economia interna do que ao exterior. Lá fora, esta manhã os índices futuros de Nova York sobem e as bolsas europeias caem, um dia depois da assinatura do acordo comercial entre Estados Unidos e China. O mercado internacional ainda avalia balanços corporativos e as vendas do varejo norte-americano.

“A Bolsa tem funcionado muito na dependência dos dados ruins da economia brasileira, então, o IBC-Br ajuda”, cita um operador.

Depois da frustração com a produção industrial e os dados fracos de serviços e do varejo do penúltimo mês de 2019, a alta do IBC-Br traz certo alívio, reforçando que a retomada prossegue embora em velocidade lenta.

“Deve ajudar a Bolsa. Claro que os outros indicadores de atividade não foram bons, mas é normal alguma instabilidade em períodos de retomada”, diz ao Broadcast o economista Silvio Campos Neto, sócio da Tendências Consultoria Integrada.

Em novembro, o IBC-Br subiu 0,18% na comparação com outubro, vindo melhor que a mediana negativa de 0,10% das projeções (-0,40% a alta de 0,30%). No confronto com o penúltimo mês de 2019, houve crescimento de 1,10%, também superior à mediana de 0,70% das estimativas (0,40% a 1,40%).

O Ibovespa iniciou o pregão renovando máximas e acima dos 117 mil pontos. No entanto, desacelerou o ritmo de elevação.

Às 10h56, subia 0,20%, aos 116.643,09 pontos. As ações da Petrobras, que estavam subindo mais cedo, passaram a cair, apesar da leve valorização do petróleo no exterior.

Investidores avaliam afirmação divulgada pela estatal de que não são verídicas as informações de que uma possível oferta subsequente de ações a venda da sua participação na BR Distribuidora ocorra em fevereiro. A estatal também negou que os bancos que coordenarão a operação já tenham sido escolhidos.

As ações da Vale também estão no centro das atenções após a mineradora informar que suspendeu as operações na Mina Esperança, em Brumadinho (MG), que era da Ferrous, por falta de estabilidade da pilha de estéril e rejeito. “É uma notícia ruim, mas temos de avaliar os impactos dessa paralisação, qual seu peso”, diz o operador. Às 11 horas, Vale ON tinha alta de 0,14%.

Na quarta-feira, o Ibovespa fechou em baixa de 1,04%, a 116.414,35 pontos. No entanto, como a Bolsa brasileira subiu muito recentemente, sobretudo no fim do ano passado, a instabilidade dos últimos dias não preocupa especialistas. Neste sentido, a alta esperada para esta quinta-feira pode não ser tão substancial. “Deu uma grande esticada e não acredito em nenhum grande impulso, mas, por ora, ajuda a estancar qualquer realização a mais”, afirma Campos Neto.

Selic

O resultado do IBC-Br pode esfriar algumas expectativas de corte da Selic em fevereiro, avalia o economista da Tendências. Porém Campos Neto pondera que ainda é cedo para cravar tal análise. “Essa incerteza tende a permanecer até o Copom fevereiro”, estima.

Publicidade