21 de outubro de 2020 Atualizado 08:40

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

EDUCAÇÃO FINANCEIRA

Falta de controle nas finanças é cenário das famílias brasileiras

Engana-se aquele que acredita que o problema nasceu na pandemia; confira algumas dicas que podem te ajudar a organizar as coisas

Por Redação

02 ago 2020 às 10:38 • Última atualização 02 ago 2020 às 10:45

Controlar as finanças. A simples frase é um desafio para grande parte dos brasileiros. Seja pela falta da educação financeira ou até mesmo acesso a informações que ajudem a alinhar este comportamento, muitos estão enfrentando problemas relacionados ao dinheiro agora.

Com um bom planejamento, definição de gastos prioritários e contas em dia, é possível começar a caminhar – Foto: Divulgação

Entretanto, engana-se aquele que acredita que o problema nasceu na pandemia: segundo indicadores disponibilizados pelo Banco Mundial, apenas 28% dos brasileiros poupou algum dinheiro no ano de 2019, deixando o País em décima quarta colocação no índice mundial de despreparo financeiro.

E é diante desses números que nascem as preocupações: o que pode ser feito para que seja possível construir uma nova realidade? Para Alzimiro Thomé, presidente da Cresol, Cooperativa de Crédito, o ponto de partida ideal é a desenvoltura da educação financeira – algo que vai muito além de controlar os gastos de um cartão de crédito.

“Não tem jeito: para que o mês não termine no ‘vermelho’, é preciso gastar menos do que se ganha”, diz Alzimiro. Diante dessa afirmação, ele afirma que, muitas vezes, os gastos não essenciais são tão pequenos quando olhados de maneira isolada que acabam comprometendo o orçamento de uma forma discreta. “Pequenos gastos, quando somados no final do mês, têm potencial para ferir um bom planejamento financeiro”, ressalta 

PLANEJAMENTO

Alzimiro ressalta a importância de criar um planejamento financeiro para que tudo fique nos eixos. Entretanto, o que é preciso para colocá-lo em prática? “Como já dissemos, os gastos devem ser menores do que os ganhos, sempre contando com eventuais despesas que podem surgir. O ideal é reservar uma pequena porcentagem para isso”, comenta.

De modo geral, pode-se dizer que um bom planejamento financeiro é pessimista, afinal, dessa maneira as chances de comprometer um dinheiro inexistente é menor, garantindo, assim, maior espaço para pagar contas que podem surgir de última hora.

Publicidade