Expectativa para Selic no fim de 2020 continua em 4,25% ao ano no Focus do BC


Mesmo após a sinalização do Banco Central de um possível corte de juros neste mês, os economistas do mercado financeiro mantiveram suas projeções para a Selic (a taxa básica da economia) no fim de 2020. O Relatório de Mercado Focus trouxe nesta segunda-feira, 9, que a mediana das previsões para a Selic neste ano permaneceu em 4,25% ao ano. Há um mês, estava em 4,25%.

Já entre as instituições que mais acertam projeções no médio prazo, denominadas Top 5, a estimativa para a Selic no fim de 2020 caiu de 4,25% para 3,50% ao ano. Há quatro semanas, estava em 4,25%.

Considerando todos os participantes do Focus, a projeção para a Selic no fim de 2021 passou de 5,75% para 5,50% ao ano, ante 6,00% de quatro semanas atrás. No caso de 2022, a projeção seguiu em 6,50%, igual a um mês antes. Para 2022, também permaneceu em 6,50%, mesmo porcentual de quatro semanas atrás.

No Top 5, a projeção para a Selic ao fim 2021 caiu de 5,75% para 5,00% ao ano, ante 6,25% de quatro semanas antes. Para 2022 e 2023, as projeções para a Selic no Top 5 continuaram em 6,00%.

No início de fevereiro, o Comitê de Política Monetária (Copom) do BC cortou a Selic em 0,25 ponto porcentual, de 4,50% para 4,25% ao ano. Foi o quinto corte consecutivo da taxa básica. No comunicado sobre a decisão, o BC havia deixado claro que não pretendia promover novo corte no encontro marcado para março. “Considerando os efeitos defasados do ciclo de afrouxamento iniciado em julho de 2019, o Comitê vê como adequada a interrupção do processo de flexibilização monetária”, registrou o BC no comunicado da decisão.

No entanto, com as reações do mercado e de governos diante da propagação do coronavírus e seus possíveis impactos para a economia global, o Banco Central divulgou nota na última terça-feira enfatizando que “monitora atentamente os impactos do surto de coronavírus nas condições financeiras e na economia brasileira”.

Ainda de acordo com a autoridade monetária, “à luz dos eventos recentes, o impacto sobre a economia brasileira proveniente da desaceleração global tende a dominar uma eventual deterioração nos preços de ativos financeiros”.

Na avaliação de agentes de mercado, a afirmação reabriria as portas para um novo corte de juros na reunião do Copom marcada para os dias 17 e 18 deste mês.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora