27 de outubro de 2020 Atualizado 22:55

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Economia

Dólar sobe mais de 2% ante o real com aversão ao risco no exterior

Por Agência Estado

21 set 2020 às 10:05 • Última atualização 21 set 2020 às 11:45

A forte aversão ao risco no exterior atinge em cheio o início dos negócios no mercado brasileiro na manhã desta segunda-feira. A tensão é causada por temores de risco bancário na Europa e dos efeitos de um repique nos casos de covid-19 naquela região. O dólar abriu em alta superior a 1% nos mercados futuros e os juros futuros acompanharam essa escalada. Perto das 9h40, a moeda americana já subia mais de 2%.

A aversão ao risco é gerada em grande medida nos mercados financeiros globais por reportagem que denunciou grandes bancos europeus e americanos por movimentações financeiras suspeitas. Sobre os novos casos de coronavírus, um dos temores é de um novo “lockdown” no Reino Unido para conter o recente repique de caos da doença.

Com isso, a libra esterlina cai ante o dólar, fortalecendo o Dollar Index (DXY), que mede a variação do dólar ante uma cesta de divisas de países fortes. A alta do índice, que mais cedo era de 0,56%, só não é maior porque há farta procura pelo iene, moeda considerada ainda mais segura que o dólar. Às 9h43, o dólar à vista era cotado a R$ 5,4914 em alta de 2,12%.

A presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde, afirmou nesta segunda que a Europa foi fortalecida durante a crise da covid-19, mas a força da recuperação econômica permanece muito incerta, desigual e incompleta. Lagarde reforçou que a incerteza atual exige avaliação cuidadosa, incluindo a evolução da taxa de câmbio e que o BCE segue pronto para ajustar instrumentos para garantir o retorno da inflação à meta.

Publicidade