11 de abril de 2021 Atualizado 12:18

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Economia

Bolsas de NY fecham em alta, com pacote de Biden e recuo dos Treasuries

Por Agência Estado

01 abr 2021 às 17:46 • Última atualização 01 abr 2021 às 18:31

As bolsas de Nova York fecharam em alta nesta quinta-feira, impulsionadas pelo anúncio do pacote de infraestrutura do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden. O movimento levou o S&P 500 a recorde de fechamento, superando pela primeira vez o nível simbólico dos 4 mil pontos. Outro movimento observado durante a sessão foi um recuo nos rendimentos do Treasuries, o que levou a compras no mercado acionário, especialmente em papéis de tecnologia.

O índice Dow Jones fechou em alta de 0,52%, aos 33.153,21 pontos, o S&P 500 encerrou com avanço de 1,18%, aos 4.019,87 pontos, e o Nasdaq, de 1,76%, aos 13.480,11 pontos. Na semana, houve alta de 0,24%, avanço de 1,14% e 0de 2,60% em cada índice, respectivamente.

Investidores continuam a analisar o plano de investimentos em infraestrutura de longo prazo apresentado na quarta-feira pelo presidente Joe Biden. O programa envolve o montante total de US$ 2,25 trilhões, que serão aplicados em oito anos.

Nesta quinta, houve avanço no volume de pedidos de auxílio-desemprego nos EUA, que previam queda nas solicitações. O resultado ajudou no recuo dos juros dos Treasuries, sugerindo uma possível recuperação mais fraca da economia do país.

Por outro lado, atreladas nas últimas semanas aos rendimentos dos títulos públicos, as ações de tecnologia tiveram alta generalizada nesta sessão, como Facebook (+1,40%), Amazon (+2,16%), Microsoft (+2,79%), Alphabet, que controla o Google, (+3,26%) e Netflix (+3,40%).

Com alta do petróleo em mais de 3% em Londres e Nova York, seguindo a decisão da Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados (Opep+) sobre a extensão de cortes na produção, embora em menor grau, ações do setor tiveram altas. Chevron (+0,90%), ExxonMobil (+2,80%) e ConocoPhillips (+1,98%) avançaram.

Entre as farmacêuticas, a Johnson e Johnson recuou 0,90%, em meio a notícias da perda de 15 milhões de suas vacinas contra a covid-19. Já a Pfizer teve alta de 0,19%, seguindo o anúncio da efetividade de seu imunizante em pessoas de 12 aos 15 anos de idade.

Publicidade