Bolsas da Ásia fecham sem direção única de olho em EUA-China e Coreia do Norte


As bolsas da Ásia fecharam sem direção única o pregão desta segunda-feira, 30, à medida que investidores esperam sinalizações sobre a possível assinatura de um acordo comercial entre Estados Unidos e China e mantêm a Coreia do Norte no radar, às vésperas do feriado de Ano Novo.

Na China, a Bolsa de Xangai fechou em alta de 1,16%, em 3.040,02 pontos. O índice menos abrangente Shenzhen registrou ganho de 0,92%, a 1.713,51 pontos. Em Tóquio, o índice Nikkei caiu 0,76%, a 23.656,62 pontos.

Em uma reunião do Partido dos Trabalhadores da Coreia do Norte, o líder norte-coreano, Kim Jong-un, pediu que seus militares e diplomatas preparem “medidas ofensivas” não especificadas para proteger a segurança e a soberania do país, informou a mídia estatal nesta segunda.

Kim estabeleceu como prazo o final de ano para que os EUA façam concessões nas negociações nucleares. A reunião do Comitê Central do partido norte-coreano, que começou no sábado, 28, é observada de perto em meio a preocupações de que Pyongyang possa suspender suas negociações nucleares com Washington e adotar uma abordagem mais conflituosa.

Investidores estão atentos, ainda, a possíveis sinalizações sobre o acordo inicial firmado neste mês entre EUA e China, que poderia ser assinado em janeiro. Embora ainda existam incertezas, o mercado se prepara para fechar um ano de fortes ganhos nesta semana.

“O principal fator continua sendo uma aparente iminente assinatura do acordo comercial EUA-China ‘fase 1’ em janeiro e o consequente impulso ao crescimento mundial que deve seguir. Se esse crescimento vai se concretizar ou não, será uma história para outro dia”, avalia Jeffrey Halley, da Oanda Corporation.

Na Coreia do Sul, o índice Kospi recuou 0,30%, a 2.197,67 pontos. Já em Taiwan, o índice Taiex cedeu 0,32%, para 12.053,37 pontos, enquanto, na Oceania, o índice S&P/ASX 200 registrou queda de 0,25%, a 6.804,90 pontos.

*Com informações da Dow Jones Newswires

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora