18 de abril de 2021 Atualizado 18:28

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Economia

Azul volta a operar no Galeão em janeiro e lança 3 voos no Rio durante o verão

Por Agência Estado

26 nov 2020 às 12:47 • Última atualização 26 nov 2020 às 13:31

A Azul anunciou, nesta quinta-feira, 26, que retomará suas operações no Galeão a partir do dia 1º de janeiro. O destino será Campinas, principal centro de conexões da empresa no Brasil, e usará a aeronave Embraer E195 E1, com capacidade para até 118 Clientes.

A empresa lançou ainda três destinos de verão.

A retomada foi informada inicialmente na quarta-feira, 25, em encontro entre representantes da empresa e o governador do Estado, Cláudio Castro, em reunião no Palácio Guanabara, sede do Executivo estadual.

Com a Azul Conecta, empresa sub-regional da Azul, Búzios, Paraty e Angra dos Reis contarão com voos inéditos para Belo Horizonte, Santos Dumont e Congonhas, em São Paulo.

Somadas, as operações nos três aeroportos fluminenses resultarão em uma oferta semanal de 32 voos, que serão cumpridos a bordo das aeronaves modelo Cessna Gran Caravan, com capacidade para nove Clientes.

Cabo Frio, que volta a receber aeronaves da Azul a partir de 14 de dezembro, terá um reinício relevante, com diversas frequências e destinos durante o verão.

A cidade contará com 21 voos semanais para Belo Horizonte, Santos Dumont e Congonhas, operados com aeronaves ATR 72-600, de 70 assentos, e jatos da Embraer, com 118 lugares. Depois do fim da alta temporada, no início de fevereiro, a base permanecerá recebendo aviões da Azul e tendo BH como destino.

“Estamos com muitas novidades em nossa malha de alta temporada e o Rio será um dos estados mais beneficiados pela nossa operação especial”, destaca Marcelo Bento Ribeiro, diretor de relações institucionais da Azul.

“Estamos felizes de poder contar novamente com as operações da Azul no Galeão e garantimos aos clientes da companhia que o Aeroporto Internacional Tom Jobim está preparado para recebê-los com segurança e responsabilidade”, afirma Patrick Fehring, diretor de Negócios Aéreos do Galeão, em nota.

Publicidade