04 de março de 2021 Atualizado 12:35

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Economia

Acordo pavimenta ‘caminho de saída’ da XP para o Itaú

Por Agência Estado

02 fev 2021 às 07:31 • Última atualização 03 fev 2021 às 08:37

A XP Inc. – holding que controla a XP – chegou a um acordo ontem com o Itaú e a Itaúsa (veículo de investimentos do banco) para realizar a separação da XPart, empresa criada pelo banco e que representa a fatia de 40,5% do capital social da corretora. A empresa de investimentos se comprometeu a finalizar a incorporação da nova companhia em até 120 dias. O movimento marca o início da saída do maior banco da América Latina dois anos após seu desembarque na corretora.

No novo acordo de acionistas que vai surgir com a incorporação da XPart, o Itaú Unibanco deixa de ter certos privilégios. O banco não terá mais poder de veto nas decisões da XP nem poderá indicar novos membros para o conselho de administração ou no comitê de auditoria interna, além de não receber mais informações internas da empresa. Por sua vez, os acionistas controladores da XP estão liberados para vender o controle da companhia.

A Itaúsa, que vai deter 15,1% do capital social total da XP (e 4,8% do capital votante) após a incorporação da XPart, terá o direito de indicar até dois membros do conselho de administração da XP e continuará a receber informações da companhia. O novo acordo de acionistas valerá até 30 de outubro de 2026 ou até a Itaúsa reduzir sua participação na XP para abaixo de 5%. Uma cláusula impede que o braço de investimentos do Itaú venda a participação restante até o dia 30 de outubro de 2021.

Como informado por Itaú e Itaúsa, apesar de já aprovada pelas duas empresas, a constituição da XPart ainda depende de aval regulatório do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), uma vez que a corretora tem ações listadas nos Estados Unidos.

Venda de ações

O Itaú Unibanco também divulgou ontem que obteve ganho de R$ 3,2 bilhões com a alienação parcial de sua participação na XP Inc. no quarto trimestre de 2020.

Além do ganho com a XP, o Itaú também informou que constituiu provisões nos valores de R$ 220 milhões com readequação de sua estrutura e R$ 379 milhões com a marcação a mercado de títulos de dívida em garantia (ajuste de valores). Também reservou R$ 179 milhões por amortização de ágio de aquisições passadas. Todos esses movimentos e outros ocorreram entre outubro e dezembro.

Somados, os eventos extraordinários compõem a diferença do lucro líquido recorrente, que reflete o dia a dia do banco, e o contábil, que considera aqueles que não ocorrem frequentemente. O lucro líquido contábil do Itaú somou R$ 7,6 bilhões no quarto trimestre, alta de 1,5% em um ano. Já o lucro líquido recorrente do maior banco da América Latina foi a R$ 5,39 bilhões no período, queda de 26,1%, na mesma comparação.
As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Publicidade