13 de julho de 2024 Atualizado 21:56

Notícias em Americana e região

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Educação

USP cai para 2º lugar na América Latina em ranking de universidades

USP foi ultrapassada pela Universidad de Buenos Aires, a qual havia desbancado na edição do ano passado

Por Agência Estado

04 de junho de 2024, às 17h53 • Última atualização em 04 de junho de 2024, às 19h01

A Universidade de São Paulo (USP) deixou de ser a melhor da América Latina e passou para o segundo lugar na edição de 2025 do ranking da Quacquarelli Symonds (QS), especialista global em educação superior. O QS World University Ranking avalia as instituições de ensino do mundo mais consultadas, a empregabilidade e o desempenho da sustentabilidade das universidades.

A USP foi ultrapassada pela Universidad de Buenos Aires (UBA), da Argentina, a qual havia desbancado na edição do ano passado.

Ainda assim, a USP está entre as 100 melhores do mundo em quatro das nove métricas da QS:

  • Reputação acadêmica;
  • Reputação do empregador;
  • Resultados de emprego;
  • Sustentabilidade.

Brasil

Além da USP, que ficou em 92º lugar na classificação global, outras três universidades brasileiras se destacaram na classificação da QS entre as 500 melhores do mundo:

  • Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), em 232º lugar
  • Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), em 304º lugar
  • Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho (Unesp), em 489º lugar

Já em critérios específicos, a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) foi destaque na proporção de professores e alunos. A Universidade Federal do Paraná (UFPR) foi a melhor brasileira no critério de proporção de alunos internacionais, enquanto na proporção de professores internacionais, a Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ) tomou a liderança no País.

USP São Paulo – Reitoria – Foto: USP / Divulgação

O ranking indica ainda que as universidades brasileiras registraram ganhos significativos na taxa de emprego de graduados, com 63% das universidades brasileiras subindo de posição na métrica de resultados de emprego, “o que sugere alta qualidade de ensino e prontidão para o mercado de trabalho”, segundo a QS.

O País é também o líder em sustentabilidade na América Latina, com estratégias progressivas de Meio Ambiente, Social e Governança e iniciativas de Desenvolvimento Sustentável.

📲 Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

Por outro lado, o Brasil tem dificuldades no impacto da pesquisa, com um declínio de 89% nas citações por docente, mas detém a pontuação média mais alta da América Latina em termos de colaboração internacional.

Os alunos brasileiros estão entre os grupos menos diversificados da América Latina, de acordo com o International Student Ratio.

“O Brasil parece ter dificuldades para atrair talentos estrangeiros, especialmente estudantes. O país tem um dos grupos de alunos menos diversificados da América Latina”, afirma o QS.

Siga o LIBERAL no Instagram e fique por dentro do noticiário de Americana e região!

Para o vice-presidente sênior da empresa de análise de ensino superior, Ben Sowter, as universidades brasileiras estão progredindo no ranking. “Lideradas pela prestigiosa Universidade de São Paulo, há todas as oportunidades para que o ensino superior brasileiro continue a crescer com investimentos direcionados e estratégias eficazes”, declara.

Ele afirma que a maneira mais clara de o Brasil elevar suas universidades é aprimorar sua pesquisa, que “enfrenta os mesmos desafios que a América Latina em geral: financiamento insuficiente, especialização limitada e falta de diversidade de pessoal, entre outros”.

Faça parte do Club Class, um clube de vantagens exclusivo para os assinantes. Confira nossos parceiros!

Para isso, “parcerias estratégicas de pesquisa produtivas, como a que foi firmada recentemente entre a USP e a recém-coroada melhor universidade do Reino Unido, o Imperial College London, podem impulsionar o tipo de pesquisa de ponta que apoiará o progresso futuro” do Brasil, diz Sowter.

Mundo

O ranking mundial de universidades deste ano apresenta 1.500 universidades em 106 sistemas de ensino superior. Os Estados Unidos são o país mais representado, com 197 instituições classificadas, seguidos por Reino Unido, com 90, e pela China, com 71.

Já o Brasil abriga 35 universidades classificadas. Dessas, sete sobem na tabela e quatro descem, enquanto 24 permanecem estáveis em sua classificação ou faixa.

Globalmente, o Massachusetts Institute of Technology (MIT) comemora treze anos consecutivos no topo da classificação. O Imperial College London ocupa o segundo lugar. A Universidade de Oxford e a Universidade de Harvard permanecem em 3º e 4º lugar, respectivamente, enquanto a Universidade de Cambridge completa os cinco primeiros.

Além do Reino Unido e dos Estados Unidos, Suíça e Cingapura são os únicos países a aparecer entre os dez primeiros, com o Instituto Federal Suíço de Tecnologia (ETH Zurich) e a Universidade Nacional de Cingapura (NUS) em sétimo e oitavo lugares, respectivamente.

Publicidade