28 de setembro de 2021 Atualizado 21:52

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Cotidiano

UFRJ prevê iniciar até o fim deste ano os testes da sua vacina contra a Covid-19

No momento, o desenvolvimento da vacina S-UFRJVac encontra-se nas etapas finais dos ensaios pré-clínicos em animais

Por Agência Estado

05 ago 2021 às 12:55 • Última atualização 05 ago 2021 às 16:21

Uma nova vacina contra a Covid-19 inteiramente desenvolvida no Brasil deve começar a ser testada em humanos até o fim deste ano. Pesquisadores da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) vão submeter à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) ainda neste mês a documentação necessária para obter a autorização de iniciar os ensaios clínicos do imunizante que é desenvolvido na instituição.

No momento, o desenvolvimento da vacina S-UFRJVac encontra-se nas etapas finais dos ensaios pré-clínicos em animais. O imunizante já induziu a formação de altos níveis de anticorpos nas espécies em que foi testado para todas as variantes em circulação, com exceção da delta (identificada originalmente na Índia e mais transmissível), ainda não examinada. O teste específico para a variante, que já é predominante em boa parte do mundo, começa agora, em agosto.

“Nossa expectativa é iniciar os testes humanos ainda em 2021 e concluí-los em 2022”, afirmou a coordenadora da pesquisa, Leda Castilho, que também coordena o Laboratório de Engenharia de Cultivos Celulares da Coppe/UFRJ. “Caso tenhamos sucesso imediato logo após esta etapa, acredito que a vacina possa estar disponível para chegar ao mercado também em 2022.”

Butanvac

Outra candidata brasileira à vacina anticovid é a Butanvac, testada pelo Instituto Butantan, de São Paulo. Os ensaios clínicos em humanos já começaram em julho em Ribeirão Preto, no interior paulista. O órgão científico pretende pedir o uso emergencial desse imunizante em outubro para aplicá-lo no ano que vem, em uma nova rodada da campanha de vacinação contra a Covid-19. Isso, porém, depende dos resultados dos testes e do aval da Anvisa. A Universidade Federal de Minas (UFMG) também pediu na semana passada autorização para iniciar os testes em humanos da Spintec, uma vacina produzida pela instituição.

Tecnologia

A nova vacina contra a Covid-19 da UFRJ é baseada na tecnologia da proteína recombinante, que já é bem conhecida dos especialistas. É usada, por exemplo, nas vacinas contra a hepatite B, contra o HPV e contra a gripe. Por isso, acreditam, dificilmente apresentará algum efeito colateral inesperado. No caso da Covid-19, os cientistas criaram uma cópia da proteína spike do Sars-CoV2, presente nas espículas que recobrem o vírus.

Ao receber o imunizante, o organismo “aprende” a reconhecer a proteína, se preparando para combater uma eventual infecção. “A vacina é baseada no uso de uma cópia da proteína que recobre a superfície do vírus”, explicou Leda. “Estas cópias de proteínas são chamadas de proteínas recombinantes. Há outras vacinas sendo usadas há muitos anos, inclusive em recém-nascidos e em idosos, que também são baseadas nessa tecnologia.”

A tecnologia usada na vacina da UFRJ permite também que sejam feitas adaptações, com relativa facilidade, na cópia da proteína spike usada na formulação do imunizante, de acordo com as mutações apresentadas pelas variantes do Sars-CoV2.

“No caso do coronavírus, já se sabe que a proteína spike é um bom IFA para vacinas”, contou Leda. “Então, se forem variantes do coronavírus, usaremos a mesma proteína, só que com as mutações respectivas de cada variante.”

Algumas dessas adaptações já estão em desenvolvimento. Até o início dos testes em seres humanos, os cientistas vão decidir qual mutação será usada no produto. Esse pode ser um diferencial importante da vacina, diante da rapidez com que as novas variantes vêm se alastrando.

“A gente tem continuamente atualizado a UFRJVac para obter versões para diversas variantes, sendo que várias já estão prontas”, disse a coordenadora do trabalho. “Então, até o final do ano, antes de entrar em ensaios em humanos, vamos selecionar as variantes mais importantes para seguir adiante no desenvolvimento”, finalizou.

Publicidade