Três PMs são afastados após ação em Heliópolis

Três policiais militares envolvidos na ação que resultou em uma morte em Heliópolis, na zona sul de São Paulo, no último domingo foram afastados


Três policiais militares envolvidos na ação que resultou em uma morte em Heliópolis, na zona sul de São Paulo, no domingo, 1º, foram afastados.

A Polícia Militar afirma que perseguia um suspeito. A atuação dos agentes na maior favela da capital paulista causou a dispersão de um baile funk que ocorria no local. Imagens divulgadas por moradores mostram PMs encurralando os frequentadores do pancadão em um beco estreito.

Foto: Alexandre Carvalho - A2img
Policiais foram afastados após ação em Heliópolis

A gravação mostra dezenas de pessoas circulando em um beco. Em dado momento, o fluxo começa a andar rapidamente no sentido contrário até não ter mais para onde ir.

À frente do grupo, aparecem dois policiais militares e um deles desfere seguidos golpes de cassetete em pessoas que tentam se proteger; um terceiro policial se junta ao grupo. As agressões continuam até o grupo de pessoas conseguir se deslocar para trás e sair dali.

A operação em Heliópolis foi parecida com a que aconteceu em Paraisópolis no mesmo fim de semana, quando nove pessoas morreram pisoteadas.

A Secretaria da Segurança Pública (SSP) do Estado de São Paulo informou neste sábado, 7, que o Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP), da Polícia Civil, realiza diligências para o esclarecimento dos fatos em Heliópolis.

Na quarta-feira, 4, a Ouvidoria da Polícia informou que solicitou realização de perícia técnica para esclarecimento das circunstâncias em que a perseguição em Heliópolis aconteceu. O suspeito teria sido morto em uma troca de tiros.

A Ouvidoria também instaurou procedimento para apurar eventual abuso de autoridade e agressão no local. O órgão havia pedido à Corregedoria da PM o afastamento dos policiais envolvidos na perseguição e na dispersão da festa.

Outros casos

 

O caso em Heliópolis é um dos quatro que está sob análise da Ouvidoria diante de indícios de excesso na atuação policial. Os outros são: nove mortes em Paraisópolis; Três mortes que aconteceram na dispersão de um baile em Guarulhos, em novembro do ano passado; O ferimento que deixou uma jovem cega em um evento em Guaianases.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora