21 de abril de 2021 Atualizado 08:42

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Cotidiano

Saúde agora orienta retenção de metade do novo lote da CoronaVac para 2ª dose

Intervalo recomendado para a aplicação das doses da vacina feita pela Sinovac em parceria com o Instituto Butantan é de 21 dias

Por Agência Estado

24 fev 2021 às 12:27 • Última atualização 24 fev 2021 às 13:33

Área técnica foi pega de surpresa pela promessa do general aos ministros e não quis validar a nova regra - Foto: Tony Winston / MS

O Ministério da Saúde recuou nesta quarta-feira, 24, e voltou a orientar que metade do novo lote da CoronaVac seja reservado para garantir a aplicação da segunda dose da vacina contra a Covid-19. No último dia 19, o general Eduardo Pazuello disse a prefeitos que não seria mais necessário reter vacinas, pois o fluxo de entrega de novos lotes permitiria repor estoques a tempo de completar a imunização.

O intervalo recomendado para a aplicação das doses da vacina feita pela farmacêutica chinesa Sinovac e distribuída no Brasil pelo Instituto Butantan é de 21 dias. Prefeitos e governadores vinham cobrando que o Ministério da Saúde confirmasse a orientação de Pazuello em uma nota técnica, mas a pasta manteve as recomendações anteriores.

Segundo apurou o Estadão, a área técnica foi pega de surpresa pela promessa do general aos ministros e não quis validar a nova regra, pois há risco de que novas vacinas não cheguem a tempo da aplicação da segunda dose. “Tendo em vista o intervalo entre a D1 e D2 (2 à 4 semanas), e considerando que ainda não há um fluxo de produção regular da vacina, orienta-se que a D2 seja reservada para garantir que o esquema vacinal seja completado dentro desse período, evitando prejuízo nas ações de vacinação”, diz informe técnico da pasta.

A recomendação da Saúde se aplica a 1,2 milhão de doses da CoronaVac que serão distribuídas entre o fim deste mês e começo de março. Também serão entregues 2 milhões de unidades da vacina de Oxford/AstraZeneca, importadas da Índia, mas não há necessidade de reter metade dessas doses. Isso porque o intervalo de aplicação desta vacina é mais longo, de até 3 meses.

“Destarte, essa pauta prevê um total de 1.2 milhão de doses da Vacina Sinovac/Butantan, correspondente à entrega das D1 (dose 1) e D2 (dose 2) do esquema vacinal e 2 milhões de doses da Vacina AstraZeneca/Fiocruz correspondente à entrega da D1”, registra o informe técnico da Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS).

Em nota, o Ministério da Saúde disse que a chegada de novos imunizantes vai permitir a vacinação de novos grupos prioritários: “Serão priorizadas pessoas de 85 a 89 anos, pessoas de 80 a 84 anos, 3.837 indígenas e 8% dos trabalhadores da saúde”.

A região Norte irá receber 5% do total de doses de vacinas em cada fase de distribuição. “Desse total, 70% ao Amazonas, 20% ao Pará e 10% Acre, para também atender aos seguintes grupos prioritários”, diz a Saúde. No Amazonas a ideia é já vacinar pessoas de 60 a 69 anos.

“A nova remessa de vacinas do Butantan corresponde à entrega de duas doses, sendo necessário que estados e municípios façam a reserva da segunda dose para garantir que o esquema vacinal seja completado no período recomendado de 2 a 4 semanas”, afirma nota da Saúde, contradizendo Pazuello.

No comunicado, a pasta volta a afirmar que 50% da população deve ser vacinada até julho. O cronograma de Pazuello, porém, prevê a aplicação de vacinas ainda em negociação com o governo e que devem dados de segurança e eficácia à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), como a Covaxin e a Sputnik V.

Publicidade