17 de abril de 2021 Atualizado 20:13

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Cotidiano

RJ deve ter feriado prolongado, mas há divergências sobre medidas contra covid

Por Agência Estado

21 mar 2021 às 10:13 • Última atualização 21 mar 2021 às 10:49

O Estado do Rio de Janeiro deve ter um feriado prolongado entre os dias 26 de março e 4 de abril. A antecipação das comemorações dos dias de Tiradentes e São Jorge será uma tentativa de conter a expansão da covid-19. A medida foi debatida e combinada em reunião do governador em exercício, Cláudio Castro (PSC), com empresários e parlamentares na tarde e noite deste sábado (20). O encontro foi na residência oficial do Palácio Laranjeiras, em Laranjeiras (zona sul do Rio).

O anúncio oficial será feito neste domingo (21), quando o governador se reunirá com os prefeitos do Rio, Eduardo Paes (DEM), e de Niterói, Axel Grael (PDT). Eles são defensores de ações mais duras contra o vírus, e é possível que divirjam das propostas que o governador fechou com os empresários. As medidas também poderão ser anunciadas na segunda-feira. É quando Paes pretende divulgar novas restrições à circulação no município do Rio.

“O governador declarou-se contra o lockdown, o setor produtivo apoiou essa declaração e ficou combinado que haverá um superferiadão entre os dias 26 de março e 4 de abril”, anunciou o presidente executivo da Associação de Supermercados do Estado do Rio de Janeiro, Fábio Rossi de Queiróz, em seu perfil no Instagram. “Cada setor será tratado de uma maneira diferente, isso é muito importante. Bares e restaurantes terão uma regra, hotéis, supermercados e por aí vai. A gente gostou muito da reunião. Saímos daqui na esperança de salvar vidas. As vidas são importantes, mas que também o impacto econômico seja o menor possível”, concluiu o representante dos supermercadistas. O vídeo foi gravado após a reunião, às 20h45.

Em nota divulgada após o encontro, Castro demonstrou alinhamento com os empresários. Afirmou que é preciso “ouvir todas as necessidades e aflições do setor produtivo. A preocupação é principalmente com a vida das pessoas, mas temos que preservar o emprego, dialogar e garantir o equilíbrio da sociedade. É fundamental analisar os dados diariamente para tomarmos as decisões corretas para cada momento da pandemia. E é isso que estou fazendo. Tudo com base em dados técnicos”.

Segundo a nota, Castro anunciou na reunião que mandou reforçar a força-tarefa de fiscalização do Corpo de Bombeiros, em conjunto com as prefeituras. O objetivo é coibir eventos clandestinos, considerados focos de contaminação pelo novo coronavírus.

Divergências

Enquanto o governador se diz contra o lockdown, o prefeito da capital, Eduardo Paes (DEM), vê os hospitais da rede pública do município ficarem quase sem vagas em UTI para covid-19. Paes defende medidas de isolamento mais duras. Cogita anunciar na segunda-feira (22) o fechamento, por dez dias, do comércio não essencial. Também fechariam quiosques, academias, boates, museus, clubes, salões de beleza e parques. Mas considera que não adianta fechar a capital sem que outros da Região Metropolitana tomem medidas semelhantes. Por isso, tenta convencer o governador a apoiar restrições mais amplas.

Aliado do presidente Jair Bolsonaro, contrário a qualquer restrição às atividades produtivas, Castro ainda não cedeu aos argumentos de Paes. Governador e prefeito se reuniram na tarde e noite de sexta-feira (19). Uma nova reunião acontece na manhã deste domingo (21).

A divergência entre Paes e Castro foi exposta pelo prefeito no Twitter, após a reunião de sexta-feira. “Terminei agora há pouco uma reunião com o governador @claudiocastroRJ sobre novas medidas para o combate ao coronavirus”, publicou Paes às 19h29. “Chamei a atenção do governador para a necessidade de medidas com alcance metropolitano para que elas sejam de fato eficazes. Para que se tenha uma ideia, das 40 pessoas em fila de espera nesse fim de sexta-feira para leitos de UTI, somente 9 são do município do Rio. Ou seja, a cidade é o centro da oferta de vagas de leitos públicos (maior parte da prefeitura) de toda a Região Metropolitana”.

Paes alertou que a superlotação nos hospitais públicos do Rio vai repercutir nas unidades de saúde de toda a Região Metropolitana. Destacou ainda que a regulação cabe ao governador.

“Não dá para se imaginar uma situação crítica na rede pública da cidade sem que o mesmo se repita nos demais municípios. Quero lembrar que todos os nossos leitos são regulados pelo governo do Estado, como deve ser em um sistema como o SUS. E assim desejamos manter”.

Na noite deste sábado, segundo a secretaria municipal de Saúde, 640 (94,25%) dos 679 leitos de UTI para pacientes de covid-19 na rede pública da capital estavam ocupados. Nas enfermarias, 558 (84,67%) das 659 vagas estavam preenchidas.

Na segunda-feira Paes pretende anunciar medidas mais duras espera ter o apoio de Castro: “Na cidade do Rio elas virão. Nosso foco é na ciência e em salvar vidas. Entendemos a complexidade das nossas decisões, mas esse é um momento de solidariedade e empatia. A colaboração de todos é fundamental”, escreveu no Twitter.

Na rede social, Paes também deu um recado ao presidente. Horas antes, na mesma sexta-feira, Jair Bolsonaro havia classificado como “hipocrisia” a decisão do prefeito do Rio de proibir o acesso às praias. Alegou que assim o carioca ficaria sem vitamina D. A exposição ao sol faz com que o organismo produza essa vitamina.

“Temos clareza das vitaminas que todos precisamos para ter saúde. Uma delas é a vitamina da solidariedade e contra o negacionismo aos fatos e o que vem acontecendo em todo o País. Queremos salvar vidas. Essa é a vitamina que nos estimula. Aliás, se vier acompanhada de mais vacina, salvará ainda mais vidas”, concluiu o prefeito.

Na reunião de sexta-feira, Paes teve a companhia do prefeito de Niterói, Axel Grael (PDT). O pedetista apoia a adoção de restrições mais amplas. Ele também usou o Twitter para se posicionar.

“Eu e o prefeito do Rio, @eduardopaes, fomos hoje ao Palácio Laranjeiras conversar com o governador em exercício, @claudiocastroRJ, sobre nossa preocupação com o agravamento da pandemia. Levamos a ele a importância de tomarmos medidas conjuntas em toda a Região Metropolitana para conter o avanço do vírus. Ficou decidido que voltaremos a nos encontrar neste domingo para batermos o martelo sobre medidas restritivas que se fazem fundamentais neste momento”, escreveu Grael.

Fecomércio

Na sexta-feira, a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Rio de Janeiro (Fecomercio-RJ) divulgou nota sobre a possibilidade de novas restrições. A entidade mostrou-se resistente à ideia de fechamento para combater o novo coronavírus.

“Após um recente período onde o comércio de bens, serviços e turismo esteve fechado por mais de 100 dias, é com grande preocupação que o setor vê a possibilidade de um novo lockdown. Dados obtidos pelo Instituto de Pesquisa da Fecomercio-RJ apontam que o setor não suporta um novo fechamento”, diz o texto. “Serão abertos novos leitos para atendimento dos infectados? Será aumentada a capacidade de vacinação da população?”

A entidade pede a adoção de dez medidas pelo poder público. Entre elas, estão a proibição do corte dos serviços essenciais como energia, água e gás; a suspensão e postergação do pagamento de impostos; o auxílio para pagamento de folha salarial.

A Fecomércio reivindicou ainda autorização para comunicação de férias com 48 horas de antecedência; possibilidade de suspensão e redução da jornada de trabalho; acesso facilitado à linha de crédito – com carência para início de pagamento e parcelamento com isenção de juros e correção monetária; suspensão da negativação nos cadastros restritivos de crédito.

Pediu também suspensão dos protestos de títulos de dívidas adquiridas durante a pandemia; redução dos impostos relativos aos produtos da cesta básica e suspensão da cobrança dos empréstimos contraídos por meio das linhas de crédito disponibilizadas no mesmo período.

Publicidade