18 de julho de 2024 Atualizado 19:44

Notícias em Americana e região

8 de Agosto de 2019 Grupo Liberal Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Cotidiano

Rio Grande do sul inaugura primeira ‘cidade provisória’ para 630 pessoas

Por Agência Estado

05 de julho de 2024, às 16h00 • Última atualização em 05 de julho de 2024, às 17h33

Um abrigo com 630 vagas foi inaugurado nesta quinta-feira, 4, em Canoas, na região metropolitana de Porto Alegre, e começou a receber pessoas que perderam suas casas durante as enchentes de maio.

– Construído pelo governo do Estado em parceria com diversas entidades, o Centro Humanitário de Acolhimento Recomeço será administrado pela Organização Internacional para as Migrações, das Nações Unidas, e vai servir como moradia provisória dessas pessoas, enquanto aguardam as casas definitivas anunciadas pelo governo federal.

A prefeitura de Canoas selecionou os ocupantes desse abrigo, que já começaram a se mudar. Até o dia 15, o abrigo deve estar completo.

A iniciativa faz parte do Plano Rio Grande, que atua em três eixos de enfrentamento aos efeitos das enchentes: ações emergenciais, ações de reconstrução e planos para o futuro.

“Queremos casas definitivas para essas pessoas, mas, até lá, é preciso garantir cuidado, carinho e atenção”, afirmou o governador Eduardo Leite (PSDB). “Estamos buscando dar dignidade e estrutura para que essas pessoas estejam em melhores condições. Embora ainda não seja o ideal, é mais um passo”, disse.

Antes de se transferir para esse abrigo, as pessoas estavam em espaços como galpões de Centros de Tradições Gaúchas, ginásios esportivos e salões paroquiais, locais inadequados mesmo para moradia provisória, segundo o governador.

“Estamos propiciando agora uma estrutura qualificada, bem-organizada e com equipes técnicas contratadas para dar suporte às famílias por um período, até que sejam construídas as casas definitivas”, disse Leite.

O projeto contempla não só a estrutura física, mas serviços básicos de saúde e de assistência social, encaminhamento profissional, atividades formativas, alimentação e segurança 24 horas. As crianças receberão apoio psicológico e acompanhamento por psicopedagogos e pediatras especializados em desenvolvimento infantil.

Além disso, as casas modulares permitirão mais privacidade às famílias, garantindo sua individualidade. Cerca de 150 pessoas vão trabalhar no abrigo.

Publicidade