10 de julho de 2020 Atualizado 15:22

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Brasil

Polícia Civil do Rio faz diligências em estação de tratamento da Cedae

Por Agência Estado

16 jan 2020 às 12:34 • Última atualização 16 jan 2020 às 12:54

Agentes da Delegacia de Defesa dos Serviços Delegados (DDSD) da Polícia Civil do Rio estão na Estação de Tratamento de Água (ETA) do Guandu em busca de informações que auxiliem o inquérito aberto para investigar problemas na água que abastece a região metropolitana do Rio.

Segundo a Polícia Civil, os policiais apuram “eventual responsabilidade penal de funcionários da Cedae (Companhia Estadual de Águas e Esgotos) ou de terceiros que possam ter contribuído, por ação ou omissão, nas alterações das condições de consumo da água verificada nos últimos dias”. Funcionários poderão ser chamados a depor.

Desde o início de janeiro, moradores de diversas partes do Grande Rio têm relatado problemas na água fornecida pela Cedae. A água está chegando com cheiro e gosto parecido com terra. Imagens nas redes sociais exibem, em alguns casos, água turva saindo das torneiras.

Na quarta-feira, 15, o presidente da Cedae, Hélio Cabral, pediu desculpas à população do Rio pelos transtornos causados por conta do sabor e do cheiro da água distribuída. Ele garantiu que o problema não voltará a acontecer.