29 de junho de 2022 Atualizado 12:02

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Cotidiano

PF faz ‘Operação Descobrimento’ contra tráfico de cocaína entre Brasil e Portugal

Apuração teve início após agentes apreenderem mais de 500 quilos da droga escondidos na fuselagem de um jato português

Por Agência Estado

19 de abril de 2022, às 10h09 • Última atualização em 19 de abril de 2022, às 10h35

Cocaína estava escondida na fuselagem de um jato executivo Dassault Falcon 900 - Foto: Polícia Federal - Divulgação

A Polícia Federal (PF) deflagrou na manhã desta terça-feira, 19, uma operação batizada “Descobrimento” para desarticular suposta organização criminosa especializada no tráfico internacional de cocaína entre Brasil e Portugal. A apuração teve início após agentes apreenderem mais de 500 quilos da droga escondidos na fuselagem de um jato português que pousou na Bahia.

Agentes cumprem 46 ordens de busca e apreensão e nove mandados de prisão preventiva nos dois países. No Brasil, as diligências são realizadas nos Estados da Bahia, São Paulo, Mato Grosso, Rondônia e Pernambuco. Já em Portugal, a polícia vasculha três endereços e executa duas ordens de prisão preventiva nas cidades do Porto e Braga.

Os mandados foram expedidos pela 2ª Vara Federal de Salvador e pela Justiça portuguesa. A Justiça Federal ainda decretou o sequestro de imóveis e bloqueios de valores em contas bancárias usadas pelos investigados.

De acordo com a PF, as apurações foram iniciadas em fevereiro de 2021, com a apreensão de cocaína escondida na fuselagem de um jato executivo Dassault Falcon 900. A aeronave, pertencente a uma empresa portuguesa de táxi aéreo, havia pousado no aeroporto internacional de Salvador para abastecimento.

A Polícia Federal afirma que conseguiu, a partir da apreensão, identificar a estrutura da organização criminosa sob suspeita. De acordo com os investigadores, o grupo é composto por fornecedores de cocaína, mecânicos de aviação e auxiliares (responsáveis pela abertura da fuselagem da aeronave para acondicionar o entorpecente), transportadores (responsáveis pelo voo) e doleiros (responsáveis pela movimentação financeira do grupo).

Ao longo das apurações, a PF contou com o apoio do Ministério Público Federal, da Drug Enforcement Administration – a Agência de combate às drogas dos Estados Unidos -, e da Unidade Nacional de Combate ao Tráfico de Estupefacientes da Polícia Judiciária Portuguesa.

Publicidade