11 de maio de 2021 Atualizado 17:15

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Cotidiano

Para fundo russo, decisão da Anvisa sobre Sputnik V foi ‘influenciada pelos EUA’

Por Agência Estado

27 abr 2021 às 12:28 • Última atualização 27 abr 2021 às 14:17

Horas depois de a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) ter negado o pedido de dez Estados brasileiros para a importação da vacina russa Sputnik V, o CEO do Fundo Russo de Investimento Direto, Kirill Dmitriev, acusou a agência de ter tomado uma “decisão política” e de ter sido influenciada pelos Estados Unidos. A declaração foi dada em coletiva de imprensa na manhã desta terça-feira, 27.

“A decisão da Anvisa de adiar a aprovação da Sputnik V é, infelizmente, de natureza política e nada tem a ver com o acesso do órgão regulador à informação ou à ciência. Em nossa opinião, essa decisão é consequência direta da pressão dos Estados Unidos”, disse em nota o fundo russo, que financia o desenvolvimento do imunizante.

A nota afirma ainda que as questões técnicas levantadas pela Anvisa na reunião desta segunda-feira (26) “não têm embasamento científico e não podem ser tratadas com seriedade na comunidade científica e entre os reguladores internacionais.” Diz também que a equipe da agência “teve pleno acesso a todos os documentos relevantes, bem como aos locais de pesquisa e produção.”

Um dos problemas da Sputnik V apontados pela Anvisa foi a presença de adenovírus replicante. Sobre isso, o Instituto Gamaleya, que desenvolve a vacina, falou que tem um controle de qualidade rigoroso e que “nenhum adenovírus competente para replicação (RCA) foi encontrado em qualquer um dos lotes da vacina Sputnik V que foram produzidos.”

Na coletiva de imprensa conduzida na manhã desta terça-feira, o CEO do fundo russo falou que a Anvisa não foi “profissional” e nem “ética” e acusou a agência brasileira de estar tentando barrar a entrada do imunizante no País. Também disse que a Anvisa solicitou mais documentos do que todos os órgãos reguladores dos outros 60 países onde a vacina foi aprovada – e que todos os documentos pedidos foram entregues.

Outro fato mencionado pela Anvisa para negar a autorização de importação da vacina foi que os servidores da agência não puderam entrar em algumas instalações, como o Instituto Gamaleya. Dmitriev disse que há “certos procedimentos” que devem ser feitos para visitar o instituto, sem mencionar quais, e que isso pode ser um pouco demorado, mas não especificou quanto tempo.

Diante disso, segundo Dmitriev, os servidores teriam pedido para o Gamaleya apresentar os documentos de controle de qualidade. “Nós mostramos (os documentos) e eles ficaram felizes com isso”, afirmou. Sobre este ponto, o CEO acusou a Anvisa de ser “injusta” e “antiprofissional”.

Dmitriev acredita que a Anvisa ainda possa revisar a sua decisão e lembrou que vários Estados brasileiros já estavam negociando a compra do imunizante russo. “Vamos fazer de tudo para que isso seja possível. Mas, se o Brasil não quiser, vamos focar nos outros países”, disse. A Anvisa ainda não se posicionou sobre as críticas do Fundo Russo de Investimento Direto.

Publicidade