‘Não teremos horário de verão neste ano’, afirma Bolsonaro

Esta semana, o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, informou que a pasta vai finalizar nos próximos dias os estudos sobre o tema


O presidente Jair Bolsonaro disse que este ano o Brasil não terá o horário de verão e sinalizou que para o futuro a tendência é que a mudança nos relógios seja eliminada do calendário do País. “Tomei a decisão que neste ano não teremos horário de verão”, disse Bolsonaro nesta sexta-feira, 5, durante café da manhã com jornalistas.

Esta semana, o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, informou que a pasta vai finalizar nos próximos dias os estudos sobre o tema. O material será entregue ao presidente Bolsonaro, que decidirá em caráter definitivo pela continuidade ou não do horário de verão no País.

O LIBERAL quer saber sua opinião sobre o nosso portal. Acesse o questionário online e nos ajude a melhorar. CLIQUE AQUI PARA RESPONDER A PESQUISA.

Segundo o ministro, os estudos, que são permanentes no MME, estão em fase final de elaboração. A decisão, de acordo com ele, tem que ser feita neste momento e não leva em conta apenas dados econômicos com a mudança nos relógios, mas outros fatores, como sobrecarga, picos de consumo, por exemplo.

Albuquerque não quis adiantar sua posição sobre o tema. “Minha opinião técnica, vou dar para o presidente. Ele tem muito interesse. Quando o presidente quiser, estarei pronto, a partir da próxima semana”, disse, acrescentando que também não poderia dizer se Bolsonaro é contra ou a favor da mudança.

O estudo já estava em estágio avançado no governo de Michel Temer e havia um interesse do MME em terminar com as alterações de horário. Como se tratava de um tema muito polêmico em termos populares e já havia um clima de embate no País por causa das eleições, o governo decidiu deixar a decisão para a atual administração. Na semana passada, o Parlamento Europeu votou pelo fim do horário de verão no continente a partir de 2021.

Foto: Alan Santos / PR
“Tomei a decisão que neste ano não teremos horário de verão”, disse Bolsonaro nesta sexta-feira, 5

Região. Período mais curto na temporada 2018-2019, fez com que a energia elétrica economizada na região caísse 13% na RPT (Região do Polo Têxtil. Foram poupados 64,7 mil MWh na região da CPFL (Companhia Paulista de Força e Luz) nesta temporada. No verão anterior, a economia foi de 74,2 mil MWh.

Para efeito de comparação, a eletricidade economizada seria suficiente para abastecer uma cidade do porte de Americana por 18 dias. No ano anterior, a estimativa era que o município pudesse ser abastecido durante 27 dias.

O horário de verão durou 105 dias na última edição – no período anterior, esteve em vigor por 126 dias – e seu início foi adiado duas vezes. Na primeira, o ex-presidente Michel Temer (PMDB) alterou o começo de outubro para novembro. A mudança atendeu a um pedido do ministro Gilmar Mendes, então presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), para que a diferença no fuso horário entre os estados não fosse ampliada com o horário de verão durante as eleições.

O segundo adiamento ocorreu a pedido do Ministério da Educação, já que o final de semana previsto para o início do horário de verão coincidiria com a aplicação do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio).

 

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora

Receba nossa newsletter!