12 de julho de 2024 Atualizado 17:48

Notícias em Americana e região

8 de Agosto de 2019 Grupo Liberal Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Brasil e Mundo

Ministro Silvio Almeida é aplaudido de pé ao criticar PL do Aborto em culto evangélico

Por Agência Estado

24 de junho de 2024, às 14h09

O ministro dos Direitos Humanos, Silvio Almeida, foi aplaudido de pé ao criticar a crimininalização de mulheres vítimas de estupro que praticam o aborto durante um culto evangélico na noite de sexta-feira, 21. Segundo Almeida, “quem quer que uma mulher que foi estuprada seja presa” “está envenenado pela ideologia do ódio”.

A declaração do ministro foi feita durante um evento evangélico na Igreja Batista da Água Branca, do pastor Ed Rene´ Kivitz, na zona oeste de São Paulo.

“Está em engano, está envenenado pela ideologia do ódio quem defende que os jovens negros sejam exterminados pela polícia. Porque está em engano e está envenenado pela ideologia do ódio quem defende uma política de segurança pública que quer buscar transformar policiais em matadores e leva os policiais à morte, ao desespero e ao suicídio. Quem defende uma política violenta não é amigo dos policiais, é inimigo dos policiais. Porque está em engano e está envenenado pela ideologia do ódio quem quer que uma mulher que foi estuprada seja presa”, afirmou Silvio de Almeida.

A Câmara aprovou no dia 12 o regime de urgência para projeto de lei que equipara o aborto após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio simples. A urgência, na prática, permite que a proposta tramite mais rápido na Casa, indo diretamente ao plenário.

O projeto foi proposto pelo deputado federal Sóstenes Cavalcante (PL-RJ) e mais 32 coautores. A maior parte das assinaturas é de parlamentares do Partido Liberal (PL), principal legenda da oposição ao governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O projeto divide parlamentares na Câmara dos Deputados.

Em outro trecho do discurso, o ministro criticou também a política armamentista e soltou indiretas ao ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), um dos entusiastas da liberação da posse e porte de armas.

“Pode a religião desse Deus gostar de armas, gostar de violência? Pode a religião que cultua um homem que foi torturado defender camisetas com nome de torturador? Eu acho que não pode”, disse o ministro.

Segundo Almeida, “polarização é você divergir, talvez sobre questões que são relevantes, que são importantes, mas não há polarização entre a democracia de um lado e entre fascismo e morte do outro. Isso não é polarização”.

Publicidade