24 de julho de 2024 Atualizado 22:12

Notícias em Americana e região

8 de Agosto de 2019 Grupo Liberal Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Cotidiano

Ministério informa sobre furto de veículo com material radioativo de ‘baixo’ risco

Por Agência Estado

05 de julho de 2024, às 17h36

O Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) comunicou o furto de um veículo específico para transporte de material radioativo, que fazia o trajeto de Curitiba (PR) a Blumenau (SC). Segundo a pasta, o risco radiológico é “muito baixo” para a população e o meio ambiente, embora a manipulação inadequada ainda possa “vir a causar danos” à saúde.

A Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN), vinculada ao Ministério, acompanha o caso. A empresa de transporte Medical ALD notificou sobre o ocorrido no último dia 30 de junho. O veículo transportava fontes geradoras de radiofármacos. Mais especificamente um gerador de de gálio e de germânio e quatro unidades de blindagens de geradores.

Um boletim de ocorrência foi aberto no Distrito Policial de São Mateus, em São Paulo. Foi identificada possível “imprudência” do motorista do veículo, que teria optado por levar o automóvel para um local diferente do “pátio seguro” onde o veículo deveria ficar abrigado durante à noite.

Para a classificação de baixo risco, o Ministério cita o código de segurança da Agência Internacional de Energia Atômica (Aiea). Também é informado que o corpo técnico da CNEN continua levantando mais informações sobre a fonte roubada. A empresa estava autorizada para a realização do transporte.

O alerta é que caso o material seja localizado, a CNEN deve ser procurada pelos telefones (21) 98368-0734 ou (21) 98368-0763, além de ser necessária imediata notificação à Polícia.

Ainda que a “pouca relevância” em termos de risco radiológico seja ressaltada pela Comissão, houve informe ao Programa ITDB (Incident and Trafficking Data Bank) da Aiea e também ao Grupo de Trabalho de Combate ao Tráfico Ilícito de material nuclear radioativo do Mercosul. Isso ocorreu de forma “protocolar”, segundo o MCTI.

Publicidade