25 de fevereiro de 2021 Atualizado 17:00

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Cotidiano

Média móvel de mortes por covid-19 no Brasil fica em 1.083

Por Agência Estado

13 fev 2021 às 21:01 • Última atualização 13 fev 2021 às 21:08

A média móvel de mortes pela covid-19 completa três semanas acima dos mil registros diários, ficando em 1.083 neste sábado, 13. Esse cálculo representa um balanço dos últimos sete dias e elimina distorções entre um número alto de meio de semana e baixo de fim de semana. Nas últimas 24 horas foram registrados 1.046 novos óbitos e 45.561 casos.

No total são 238.647 mortes registradas e 9.811.255 pessoas contaminadas no Brasil, segundo o balanço mais recente do consórcio formado por Estadão, G1, O Globo, Extra, Folha e UOL, que coleta dados de 27 secretarias estaduais de Saúde.

Ministério da Saúde

O Brasil registrou 1.043 mortes em decorrência da covid-19 nas últimas 24 horas, de acordo com dados divulgados pelo Ministério da Saúde neste sábado. Com isso, chega a 238.532 o número de óbitos pela doença no País. Segundo a pasta, 44.299 novos casos do novo coronavírus foram confirmados no mesmo período, elevando o total de registros no País para 9.809.754.

Vacinados

Já o número de pessoas vacinadas contra a covid-19 no Brasil chegou neste sábado a 5.034.147, de acordo com dados reunidos pelo consórcio de veículos de imprensa com as secretarias estaduais de saúde.

Nas últimas 24 horas, 15 Estados informaram dados atualizados e 124.896 pessoas receberam a primeira dose. O número de imunizados representa 2,38% da população brasileira. Outro dado que o consórcio apresenta é o número de vacinados com a segunda dose, que chegou a 190.274 pessoas (0,09% da população).

Consórcio dos veículos de imprensa

O balanço de vacinados, óbitos e casos é resultado da parceria entre os seis meios de comunicação que passaram a trabalhar, desde o dia 8 de junho, de forma colaborativa para reunir as informações necessárias nos 26 Estados e no Distrito Federal. A iniciativa inédita começou como uma resposta à decisão do governo Bolsonaro de restringir o acesso a dados sobre a pandemia, mas foi mantida após os registros governamentais continuarem a ser divulgados.

Publicidade