21 de janeiro de 2021 Atualizado 23:01

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Covid-19

Instituto Butantan pede uso emergencial de Coronavac à Anvisa

Governo de São Paulo pretende iniciar a vacinação em São Paulo no dia 25 de janeiro

Por Marina Zanaki

07 jan 2021 às 13:18 • Última atualização 07 jan 2021 às 13:30

Dimas Covas confessou que não achava que seria possível finalizar as etapas para o pedido de aprovação de forma tão rápida - Foto: Governo do Estado de São Paulo

O Instituto Butantan e o governo de São Paulo pediram à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) o uso emergencial para uso da vacina Coronavac. O pedido foi feito nesta quinta-feira ao órgão federal.

O período para análise do pedido é de 10 dias. O governo de São Paulo pretende iniciar a vacinação em São Paulo no dia 25 de janeiro.

Diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas confessou que não achava que seria possível finalizar as etapas para o pedido de aprovação da vacina de forma tão rápida.

“Foram meses de intenso desgaste, intensa luta, não minha. mas de todos que estamos aqui trabalhando em prol dessa vacina. Em abril, tínhamos a decisão tomada de iniciar esse processo, e eu confesso ao senhor que nunca achei que poderíamos ter essa vacina tão rapidamente. Uma vacina que foi estudada no Brasil, que está sendo produzida no Brasil, então isso é motivo de uma emoção profunda”, disse o diretor.

Nesta quinta-feira, o governo paulista também divulgou que a Coronavac tem 78% de eficácia. O anúncio da eficácia estava previsto para ocorrer no dia 23 de dezembro, mas em função de um pedido feito pela farmacêutica chinesa, foi adiado. O motivo alegado foi a junção dos resultados da fase 3 no Brasil com os demais países em que o imunizante passou por estudos.

O processo de submissão ao uso emergencial prevê uma reunião inicial, que foi feita hoje pela manhã. A Anvisa recebeu os dados da Coronavac, e marcou uma segunda reunião ainda para esta quinta-feira, ao final do dia.

“Esperamos poder formalmente iniciar esse pedido em tramitação após essa reunião no dia de hoje ou no máximo até amanhã”, disse Dimas Covas. “A Anvisa certamente entendeu, foi positiva essa reunião, e está caminhando no sentido de ter autorização do uso emergencial da vacina”, explicou o diretor.

A previsão do Governo de São Paulo é começar a vacinação no dia 25 de janeiro, priorizando profissionais da saúde, pessoas com mais de 60 anos, indígenas e quilombolas. O início da aplicação das doses, contudo, depende da aprovação da Anvisa.

O Programa Estadual de Imunização foi apresentado aos prefeitos de 645 municípios do Estado em reunião realizada virtualmente nesta quarta-feira.

O governo já possui 10,8 milhões de doses da vacina. A primeira fase vai vacinar cerca de 9 milhões de pessoas com duas doses, sendo necessárias portanto 18 milhões para os primeiros públicos-alvo da campanha.

Confira o cronograma de vacinação:

Dose 1

  • 25/01 Profissionais da Saúde, indígenas e quilombolas
  • 08/02 Pessoas com 75 anos ou mais
  • 15/02 Pessoas com 70 a 74 anos
  • 22/02 Pessoas com 65 a 69 anos
  • 01/03 Pessoas com 60 a 64 anos

Dose 2

  • 15/02 Profissionais da Saúde, indígenas e quilombolas
  • 01/03 Pessoas com 75 anos ou mais
  • 08/03 Pessoas com 70 a 74 anos
  • 15/03 Pessoas com 65 a 69 anos
  • 22/03 Pessoas com 60 a 64 anos

Publicidade