Há casos do novo coronavírus em 47 países dos cinco continentes


A rápida expansão global do novo coronavírus começa a dar sinais de que não é mais possível contê-lo. A doença está presente em pelo menos 47 países, em todos os continentes, de acordo com o boletim diário divulgado pela Organização Mundial de Saúde (OMS). E países que ainda não estavam com uma transmissão interna sustentada já podem ter chegado a esse nível. Os Estados Unidos investigam o caso de uma mulher na Califórnia que contraiu a doença sem ter viajado ao exterior.

São mais de 82 mil casos confirmados em todo o mundo (78.630 na China e 3.664 em 46 países) e 2.804 mortes (57 fora da China) até esta quinta-feira, 26. Novos países entraram na lista de casos da OMS na quinta, como Dinamarca, Estônia, Georgia, Grécia, Macedônia do Norte, Noruega, Romênia e Paquistão. O Brasil, que tinha registrado oficialmente o primeiro caso na quarta-feira, também foi incluído agora.

“Todo país deve estar pronto para seu primeiro caso, seu primeiro cluster, a primeira evidência de transmissão comunitária e para lidar com a transmissão comunitária sustentada. E deve estar se preparando para todos esses cenários ao mesmo tempo”, afirmou ontem o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, na coletiva de imprensa diária que tem dado desde o início da crise.

Segundo ele, este é um momento decisivo, quando já há mais novos casos fora da China no período de 24 horas (746) do que onde surgiu a epidemia (439). “Nenhum país deve assumir que não receberá casos. Isso pode ser um erro fatal, literalmente. Este vírus não respeita fronteiras. Não faz distinção entre raças ou etnias. Não considera o PIB ou o nível de desenvolvimento de um país. A questão não é apenas impedir que casos cheguem às costas. O ponto é o que você faz quando tem casos”, disse.

Ele se dirigiu aos novos países com casos. “Minha mensagem para cada um é: está na sua janela de oportunidade. Se você agir agressivamente agora, pode conter esse vírus. Você pode impedir pessoas de ficarem doentes. Pode salvar vidas. Então meu conselho para esses países é se mover rapidamente”, afirmou Tedros.

“Com as medidas corretas, pode ser contido. Essa é uma das principais mensagens da China. A evidência que temos é de que não parece haver uma ampla transmissão”, disse. E citou que na cidade de Guangdong, cientistas testaram mais de 320 mil amostras da população e apenas 0,14% deu positivo. “Isso sugere que a contenção é possível”, relatou o diretor-geral.

O segundo país com mais casos é a Coreia do Sul, com 1.706 relatos (e 13 mortes). Só lá houve um aumento de 505 casos em 24 horas. A Itália já soma 650 casos, com 17 mortes, de acordo com o Ministério da Saúde local. O Irã tem 141 casos, com 26 mortes. No Japão são relatados 186 casos em terra, além dos 705 que estão em um navio no porto de Yokohama.

Sobrecarga

O avanço acelerado da epidemia preocupa por poder sobrecarregar os sistemas de saúde em todo o mundo. A principal análise feita até agora sobre os pacientes, conduzida pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças chinês, apontou que, lá, a maior parte dos casos é leve. Dos 44.672 casos confirmados no país até 11 de fevereiro, mais de 36 mil – 81% – tiveram esse diagnóstico. Mas o coronavírus tem se apresentado como mais severo que uma gripe sazonal e os casos mais graves e críticos podem depender de internação – 15% podem precisar de tratamento em hospital e 5% podem requerer cuidado intensivo. Por esse mesmo estudo, a mortalidade local estava em torno de 2,3%. A maior parte das vítimas tem mais de 60 anos.

Fora da China, a taxa de letalidade está em 1,55%. Especialistas acreditam que muito provavelmente esse valor será o mais próximo da realidade quando a epidemia se estabilizar, porque provavelmente muitas pessoas sem sintomas ou com sintomas muito leves na China acabaram nem sendo relatadas. A influenza sazonal, apesar de mais espalhada por todo o mundo, mata em apenas 0,1% dos casos. (Com agências internacionais).

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora