21 de maio de 2022 Atualizado 21:14

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Cotidiano

Governo de SP usa ‘galinha vacinadinha’ para promover imunização infantil

No jingle rimado, é destacado o trabalho da ciência e reforçada a importância da imunização

Por Agência Estado

18 Janeiro 2022, às 14h18 • Última atualização 18 Janeiro 2022, às 15h42

O menino Davi Seremramiwe Xavante, de 8 anos, indígena aldeado da tribo Xavantes, foi a primeira criança a ser vacinada - Foto: Governo do Estado de São Paulo

Na esteira de ações para promover a vacinação infantil, o governo de São Paulo criou uma peça publicitária com a personagem “Galinha Pintadinha”. Usando a canção mais famosa do desenho infantil, a figura ganhou o apelido de “galinha vacinadinha”. No jingle rimado, é destacado o trabalho da ciência e reforçada a importância da imunização.

“A galinha pintadinha também vai se vacinar”, diz um trecho. “Vai ficar vacinadinha para a criançada incentivar.”

A vacinação de crianças entre 5 a 11 anos no Estado de São Paulo começou simbolicamente na última sexta-feira, 14, em cerimônia no Hospital das Clínicas de São Paulo. O menino Davi Seremramiwe Xavante, de 8 anos, indígena aldeado da tribo Xavantes, foi a primeira criança a ser vacinada contra a Covid-19 no Estado e no País.

Na capital paulista, a campanha oficial começou na segunda-feira, 17.

Por enquanto, a campanha de imunização estadual é voltada para o grupo prioritário, que engloba crianças com deficiência ou comorbidades, além de indígenas e quilombolas.

O governo paulista prevê que a vacinação infantil deve acontecer de forma escalonada, em ordem decrescente. Contudo, o calendário de imunização ainda não foi definido por depender da entrega de vacinas do governo federal.

Xepa

A cidade de São Paulo liberou também na segunda-feira a chamada “xepa da vacina” para crianças sem comorbidades ou deficiência.

A medida é usada para abrir a possibilidade de imunização contra Covid-19 de grupos que estão na “fila” da campanha de vacinação e, desse modo, evitar desperdício de doses pediátricas.

Cada unidade de saúde deverá montar, para organizar a xepa da vacina para crianças, uma lista de espera com as crianças sem comorbidades ou deficiência.

Conforme a Prefeitura, as crianças que serão incluídas na “fila” podem ser moradoras ou estudantes na região da unidade. Em algumas unidades é possível fazer a inscrição através de formulário online.

Publicidade