24 de Maio de 2020 Atualizado 09:35

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Covid-19

‘Fila única’ para UTIs poderia evitar 14,7 mil óbitos, diz estudo

Estudo foi publicado no fim de semana por pesquisadores da FGV, USP, Universidade Federal da Paraíba e Instituto do Câncer

Por Agência Estado

05 Maio 2020 às 12:10 • Última atualização 05 Maio 2020 às 16:00

Um estudo preliminar estima que a chamada “fila única” para UTIs públicas e privadas evitaria até 14,7 mil mortes pelo novo coronavírus em todo o País. Em São Paulo, onde há a maior quantidade de leitos, o uso de UTIs particulares para atender pacientes do SUS poderia prevenir algo entre 200 e mil mortes. Isso se o nível atual de confinamento, em cerca de 50% da população, permanecer igual.

Publicado no fim de semana por pesquisadores da FGV, USP, Universidade Federal da Paraíba e Instituto do Câncer e ainda sem revisão de cientistas independentes, o estudo calculou a probabilidade de infectados precisarem de UTIs em cada região, considerando o ritmo de mortes e infecções.

A intenção era estimar em quais locais a rede pública seria suficiente para casos mais graves.

A conclusão é de que Nordeste, Norte e Sudeste terão mais dificuldade para atender à demanda, e precisarão dos leitos privados.

No Amazonas, por exemplo, mesmo a quantidade de UTIs em hospitais privados será insuficiente – seriam necessários novos leitos, mas essa necessidade esbarra na escassez de respiradores no mercado e de médicos e enfermeiros especializados em tratamento intensivo.

“Basicamente, nos Estados onde o número de leitos (de UTI) totais é suficiente, isso só é verdade se houver fila única”, diz José Gallucci-Neto, que trabalha no Hospital das Clínicas e participou do estudo. “Se não fizer fila única, a mortalidade vai aumentar.”

Para ele, os resultados corroboram uma percepção de profissionais da área, que notaram diminuição da demanda em hospitais particulares.

“Se o sistema público lotou, não pode deixar o sujeito morrer sem leito se a UTI do Hospital Einstein, por exemplo, tiver 60% livres”, opina o economista Samy Dana, da FGV, que trabalhou nos modelos matemáticos da publicação. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.