‘Ficou insustentável’, afirma Ricardo Galvão


O diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), Ricardo Galvão, disse nesta sexta-feira, 2, que a situação dele ficou “insustentável” no cargo depois de atritos com o presidente Jair Bolsonaro sobre os dados que mostram alta do desmatamento da Amazônia. O Ministério de Ciência e Tecnologia informou mais cedo que ele será exonerado do cargo.

“Diante da maneira como eu me manifestei com relação ao presidente, criou um constrangimento, ficou insustentável e eu serei exonerado”, afirmou Galvão a jornalistas que estavam em frente ao ministério após a reunião dele com o ministro de Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes.

O pesquisador estava no Inpe desde 1970 e cumpria mandato à frente do órgão até 2020. Ele deixa a direção do instituto após duas semanas de intenso bombardeio por parte do governo às informações do instituto que mostram que desde maio os alertas de desmatamento da Amazônia dispararam, atingindo em julho o número mais alto desde 2015 para um único mês. O desmatamento observado pelos alertas entre agosto do ano passado até 31 de julho é 40% maior do que o período anterior.

A polêmica começou com declarações de Bolsonaro no dia 19 passado, quando, em encontro com jornalistas estrangeiros, ele acusou os dados do Inpe de serem “mentirosos” e insinuou que Galvão estaria “a serviço de alguma ONG”. Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo no dia seguinte, o pesquisador reagiu afirmando que a atitude do presidente havia sido “pusilânime e covarde”.

Os dias seguintes foram marcados por várias outras manifestações de Bolsonaro questionando as informações e dizendo que elas prejudica a imagem do País. O presidente também afirmou que queria receber as informações antes de elas serem tornadas públicas.

Pontes também endossou o chefe e afirmou que compartilhava o estranhamento sobre os dados. Ele convocou Galvão a dar explicações, mas a reunião entre os dois só aconteceu nesta sexta-feira.

Na quarta-feira, dia 31, técnicos do Inpe estiveram reunidos com Pontes e também com o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, para explicar como é feito o monitoramento. Após a reunião, Salles admitiu pela primeira vez, desde o início do impasse, que o desmatamento está em alta na Amazônia, mas voltou a falar que havia problema com os dados, como uma suposta duplicação de alertas e desmatamentos mais antigos que estariam sendo vistos somente agora.

Para fazer tais afirmações, Salles comparou os dados do Deter, o sistema de detecção em tempo real do desmatamento, com imagens de um outro sistema, chamado Planet, que foram compradas pelo Ibama. Os técnicos do Inpe explicaram como funciona a coleta de informações, que servem para nortear as ações de fiscalização do Ibama, e reafirmaram sua transparência e correção.

Mas na quinta-feira, Salles, dessa vez ao lado de Bolsonaro, voltou a falar que havia inconsistências, que poderiam ter como significado uma alta menos significativa do que a mostrada. E disse que vai contratar um novo sistema de monitoramento.

Em nota após a entrevista coletiva, o Inpe disse que “reafirma sua confiança na qualidade dos dados produzidos pelo Deter”. Informou ainda que “os alertas são produzidos seguindo metodologia amplamente divulgada e consistentemente aplicada desde 2004” e que “é amplamente sabido que ela contribuiu para a redução do desmatamento na região amazônica, quando utilizada em conjunto com ações de fiscalização”.

Na nota, o órgão afirmou também que não teve acesso prévio à análise feita por Salles, mas que seus técnicos responderam a todas as questões apontadas na apresentação. “De antemão, o Inpe avalia que o estudo apresentado corrobora a metodologia do Deter, pois os alertas de desmatamento mostrados se tratavam de fato de áreas desmatadas. Qualquer comparação dos resultados do Deter com resultados de metodologias ou imagens distintas deve ser aprofundada, e requer uma avaliação mais completa.”

Após o encontro com Pontes nesta sexta-feira, Galvão disse que concordou com a decisão pela sua saída e que sua maior preocupação no encontro era que a crise não respingasse no Inpe. “Isso não vai acontecer. Discutimos em detalhes como vai ser a continuação da administração do Inpe.” Segundo o pesquisador, ele não precisou defender os dados o Inpe diante do ministro. “Ele concorda com os dados do Inpe, sabe como funciona.”

O Ministério da Ciência e Tecnologia ainda não havia se manifestado até a publicação desta matéria.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora