27 de outubro de 2020 Atualizado 10:26

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Covid-19

Estudo indica que coronavírus circulava na China em agosto de 2019

Aumento na procura por hospitais em Wuhan e busca por sintomas na internet apontam para aparecimento meses antes do primeiro caso reportado

Por Agência Estado

09 jun 2020 às 15:05 • Última atualização 09 jun 2020 às 19:06

Um estudo publicado ontem (8) por pesquisadores da Escola de Medicina de Harvard (HMS, na sigla em inglês) indica que o Sars-Cov-2, o vírus causador da Covid-19, circulava na China em agosto de 2019, quatro meses antes do primeiro caso ser reportado à Organização Mundial da Saúde.

Os pesquisadores utilizaram imagens de satélite para monitorar o tráfego em seis hospitais de Wuhan, primeiro epicentro mundial da pandemia, e com isso descobriram que houve um aumento significativo de entradas nesses hospitais a partir de agosto, com um pico a partir de dezembro, quando teve início a pandemia.

O estudo da HMS também analisou buscas pelas palavras “tosse” e “diarreia” – dois sintomas comuns da Covid-19 – na ferramenta chinesa de pesquisa Baidu entre abril de 2017 e maio de 2020, constatando um aumento na busca pelos termos entre setembro e outubro de 2019.

“Ainda que não possamos confirmar se os números estão diretamente relacionados com o novo coronavírus, nossa evidência apoia outros trabalhos recentes que mostram que a circulação do vírus ocorria antes da sua identificação em um mercado de frutos do mar em Huanan”, relatam os pesquisadores.

Capital da Índia, Nova Delhi é também – junto com Mumbai – a cidade mais atingida pela Covid-19 no país. Segundo o vice-ministro do Estado de Delhi, Manish Sisodia, o município deve registrar mais de 500 mil casos até o fim de julho, número que o sistema de saúde de Nova Delhi não é capaz de suportar.

Segundo os dados do governo indiano, 259.126 pessoas foram infectadas pela novo coronavírus no país – deste total 129.813 são casos ativos. Houve, ainda, 7.471 mortes provocadas pela covid-19.

Na Europa, o Reino Unido reportou hoje (9) 286 óbitos em decorrência da pandemia, elevando o total a 40.883. O governo britânico também acrescentou mais 1.387 novas infecções à contagem que agora chega a 289.140 pessoas. Lojas que comercializam produtos não-essenciais poderão reabrir com restrições no Reino Unido a partir do dia 15 deste mês, segundo anunciou o secretário de Negócios Alok Sharma.

Na Alemanha, os números permanecem estáveis à medida que o Instituto Robert Koch registrou 350 casos e 37 óbitos nas últimas 24 horas. Ao todo, 184.543 contraíram o novo coronavírus e 8.711 foram vítimas fatais da doença.

Já distante de seu período de maior contágio, a Espanha informou nesta terça-feira que 50 pessoas morreram no país por causa da covid-19 nos últimos sete dias. Os dados oficiais do governo espanhol registram 241.966 infectados e 27.136 óbitos ao longo da pandemia.

A quarentena na Espanha está marcada para acabar no dia 21 de junho. Segundo afirmou o governo local, mesmo após o lockdown, será necessário o uso de máscaras em todas as cidades do país.

Podcast Além da Capa
A relação de Americana com Santo Antonio, o padroeiro da cidade, completa 120 anos em 2020, mas a festividade em torno da data foi forçada a ser revista por conta da pandemia do novo coronavírus (Covid-19). Nesse episódio, o editor Bruno Moreira conversa com o administrador paroquial da Basílica, o padre Valdinei Antonio da Silva. A necessidade do cancelamento de outros eventos da comunidade católica, como as festas de São João de Carioba e do Senhor Bom Jesus, também é abordada com os padres Marcos Ramalho e Marcelo Fagundes.

Publicidade