18 de abril de 2021 Atualizado 18:28

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Covid-19

Estado de São Paulo tem 39 casos da variante de Manaus do coronavírus

Dos 39 casos, 16 são autóctones, sendo 12 em Araraquara, três em Jaú e mais um na capital paulista

Por Marina Zanaki

24 fev 2021 às 16:54

O Estado de São Paulo contabiliza 39 casos da variante do novo coronavírus (Covid-19) identificada inicialmente na cidade de Manaus (AM). Na última atualização, há dez dias, eram 25 confirmações.

Dos 39 casos, 16 são autóctones – ou seja, a contaminação ocorreu dentro de São Paulo, sem relação com viajantes. São 12 autóctones em Araraquara, três em Jaú e um na capital paulista. As demais são todas cepas importadas, que vieram com pessoas viajando ou que entraram em contato com quem esteve na região Norte.

Secretário Jean Gorinchteyn disse que a identificação das variantes ajuda a entender a dinâmica da pandemia – Foto: Governo do Estado de São Paulo_09.09.2020

Há ainda oito pacientes que se contaminaram com cepas britânicas no Estado, seis deles na capital (cinco importadas e uma autóctone) e duas em Sorocaba (ambas importadas).

Secretário de Estado da Saúde, Jean Gorinchteyn disse que a identificação das cepas mutantes ajuda a entender a dinâmica da pandemia em determinada região, como o aumento de casos e internações.

“Se eu tenho a variante circulante, não temos trabalho que reforce isso, mas temos visto tanto no Amazonas e nas cidades de Jaú e Araraquara, que identificaram essa variante, que o aumento do número de casos foi maior, sugerindo uma transmissão maior”, afirmou o secretário.

Americana investiga uma suspeita de contaminação por variante do coronavírus no Estado da Bahia. A moradora da cidade viajou para o nordeste em janeiro e apresentou sintomas leves da doença ao retornar. O laboratório particular que fez o exame de Covid-19 da paciente identificou uma alteração na amostra e o caso foi encaminhado para investigação no Instituto Adolfo Lutz.

Segundo a prefeitura, a moradora não precisou de internação e não houve nenhum caso suspeito da doença entre os vizinhos. Até esta quarta-feira, o resultado do exame para identificar se o caso é uma variante ainda não havia chegado à prefeitura.

Publicidade