12 de maio de 2021 Atualizado 15:26

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Cotidiano

Equipe da Sputnik V reitera crítica de CEO do Fundo Russo à Anvisa

Por Agência Estado

27 abr 2021 às 19:26 • Última atualização 27 abr 2021 às 23:37

A equipe responsável pela vacina contra a covid-19 Sputnik V reiterou nesta terça-feira, 27, as críticas do CEO do Fundo Russo de Investimento Direto, Kirill Dmitriev, à decisão da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) de negar o pedido de Estados brasileiros para a importação do imunizante.

“A decisão da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) de adiar a aprovação da Sputnik V é, infelizmente, de natureza política e nada tem a ver com o acesso do regulador à informação ou ciência”, diz um comunicado divulgado hoje no site dedicado à vacina. Em coletiva de imprensa mais cedo, Dmitriev havia acusado os Estados Unidos de influenciar na posição do órgão regulador brasileiro.

Na nota, a equipe responsável pela Sputnik V também afirma que a veredito da Anvisa contradiz uma decisão anterior do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, que reconheceu o imunizante como seguro e permitiu que o produto fosse produzido no Brasil.

“A equipe da Anvisa em Moscou teve pleno acesso a todos os documentos relevantes, bem como aos locais de pesquisa e produção”, diz um trecho do documento.

Em reunião extraordinária realizada nesta segunda-feira, 26, a Anvisa rejeitou por unanimidade o pedido dos Estados para importar a vacina, que não tem autorização para uso emergencial no Brasil. A agência embasou a decisão na falta de dados básicos para a análise do produto e em falhas técnicas que, na visão da Anvisa, poderiam comprometer a eficácia, a segurança e a qualidade do imunizante.

O Ministério da Saúde assinou em março um contrato de compra de 10 milhões de doses do Sputnik V, que é desenvolvida pelo Instituto Gamaleya, da Rússia, e distribuída no Brasil pelo laboratório União Química. O uso da vacina já foi aprovado em países como a Argentina e a Índia.

Publicidade