25 de outubro de 2021 Atualizado 21:27

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Cotidiano

Efetividade da CoronaVac varia de 61,8% a 28% a partir dos 70 anos, mostra estudo

Pesquisa foi publicada na plataforma MedRxiv e ainda está na fase pré-print, ou seja, não foi revisado por outros cientistas

Por Agência Estado

21 Maio 2021 às 20:33 • Última atualização 22 Maio 2021 às 09:29

Levantamento diz respeito a dados disponíveis até 15 de setembro - Foto: Prefeitura de Santa Bárbara / Divulgação

Um estudo preliminar divulgado nesta sexta-feira, 21, indica que a efetividade da CoronaVac cai conforme a idade e varia de 61,8% a 28% a partir dos 70 anos. A pesquisa foi publicada na plataforma MedRxiv e ainda está na fase pré-print, ou seja, não foi revisado por outros cientistas. O trabalho mostra ainda que o imunizante não confere nenhuma proteção com apenas uma dose.

A pesquisa foi realizada pelo grupo Vebra Covid-19, que reúne pesquisadores brasileiros e estrangeiros de instituições como Fiocruz e Instituto Global de Saúde de Barcelona para avaliar a efetividade das vacinas em uso no Brasil. O projeto tem apoio financeiro da Organização Panamericana da Saúde (Opas).

Os testes de efetividade são considerados os “estudos de vida real”, ou seja, medem a taxa de proteção da vacina quando ela é aplicada em massa na população e fora do ambiente controlado de uma pesquisa clínica.

A pesquisa avaliou o desempenho da vacina em idosos de 70 anos ou mais vacinados no Estado de São Paulo entre janeiro e o final de abril, período em que a variante P.1 já era predominante.

Os cientistas analisaram dados de 15.900 pessoas com suspeita de Covid (tanto testes negativos quanto positivos) para calcular a taxa de proteção, chegando à conclusão de que há redução da efetividade conforme aumenta a idade, o que, segundo os cientistas, ocorre também com o imunizante contra a gripe “e é esperado que ocorra em outras vacinas”.

De acordo com o artigo, a efetividade encontrada foi de 61,8% na faixa etária dos 70 aos 74 anos; 48,9% nas pessoas de 75 a 79 anos e de 28% acima dos 80 anos. A média de efetividade em todo o grupo foi de 42%.

Em comunicado à imprensa, o grupo Vebra esclareceu que os dados de efetividade da CoronaVac contra casos graves e mortes em idosos a partir de 70 anos ainda estão em análise.

Estudo do tipo feito no Chile e divulgado no mês passado apontou 80% de proteção contra mortes e 85% contra hospitalizações, considerando o período de 14 dias após a segunda dose. Os dados do estudo chileno, porém, não tinham informações detalhadas por faixa etária.

O estudo sobre o cenário brasileiro traz ainda a informação que a CoronaVac não conferiu nenhuma proteção com apenas uma dose, dado especialmente preocupante diante do imenso número de brasileiros que ainda não completaram o esquema vacinal. Conforme revelado pelo Estadão na última terça-feira, 4,5 milhões de brasileiros estão com a segunda aplicação da CoronaVac atrasada.

As taxas de eficácia medidas pelo grupo e citadas no estudo referem-se ao período de 14 dias depois da aplicação da segunda dose. Entre o 1º e o 13º dia após a dose de reforço, a proteção ficou em 18%.

Questionado sobre eventuais mudanças no uso da CoronaVac entre públicos prioritários e a eventual necessidade de aplicação de dose de reforço em idosos, o Ministério da Saúde informou que monitora os estudos de vacinas e que segue o que está na bula dos imunizantes. Como a CoronaVac está indicada para idosos, a pasta afirma que manterá a estratégia de vacinação até surgirem novas evidências.

Também procurado, o Instituto Butantan afirmou que a CoronaVac “se mostrou segura e eficaz, com indicação de uso para toda a população adulta, incluindo os idosos”. Disse ainda que a vacina “não é barreira para a infecção pelo vírus Sars-Cov-2, mas reduz expressivamente o risco de uma pessoa ter a doença causada pelo vírus, evitando, sobretudo, quadros graves, hospitalizações e mortes”.

Destacou ainda que, nos testes clínicos realizados pelo Butantan no Brasil, a resposta imunológica e a segurança da vacina entre idosos foram semelhantes às verificadas no grupo menor de 60 anos. Vale lembrar, porém, que a resposta imune é a medição de anticorpos nos vacinados e nem sempre é integralmente confirmada na análise de eficácia da vacina. Os dados de eficácia dos estudos brasileiros da CoronaVac não foram divulgados por faixa etária.

Por fim, o Butantan ressaltou que os idosos correm maior risco de agravamento pela infecção e, por isso, devem se vacinar. “É importante que as pessoas sigam tomando a vacina, conforme os esquemas adotados pelos gestores de saúde, de modo a se prevenirem contra as complicações do novo coronavírus”, destacou o instituto.

Publicidade