24 de Maio de 2020 Atualizado 20:46

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Cotidiano

Doria diz que conduta do presidente estimula população a relaxar o isolamento

Governador voltou a dizer que não irá adotar medida de flexibilização da quarentena caso a média da taxa de isolamento social não seja de pelo menos 50%

Por Agência Estado

06 Maio 2020 às 13:28 • Última atualização 06 Maio 2020 às 14:52

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), acusou o presidente Jair Bolsonaro de dar um “péssimo exemplo aos brasileiros” no combate ao novo coronavírus (Covid-19).

Doria acusou Jair Bolsonaro de dar um “péssimo exemplo aos brasileiros” – Foto: Governo do Estado de SP_06.05.2020

Ao comentar os números de isolamento social, Doria afirmou: “O que tem estimulado lamentavelmente o relaxamento das pessoas é a conduta errática do presidente que, dando maus exemplos, todos os finais de semana sai para fazer passeios na Esplanada dos Ministérios ou em cidades satélites de Brasília”.

Em entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes, Doria disse que, no mundo, além do presidente Bolsonaro, apenas dois ditadores, o da Bielorússia, Aleksandr Lukashenko, e da Nicarágua, Daniel Ortega, são contra o isolamento social.

Epicentro

O governador afirmou que “o Brasil, infelizmente, corre o risco de se tornar o novo epicentro mundial do coronavírus”. Segundo Doria, “o vírus está se espalhando rapidamente para cidades menores em todo o País e, em São Paulo, o vírus também se expandiu, segundo dados do Comitê de Saúde, para o interior e o litoral”.

Doria afirmou que “tem visto manifestações políticas inadequadas” e que o momento não é de “misturar eleição, partido e ideologias” nem de “fazer comício em cemitérios”.

Doria não mencionou a participação do presidente da República em ato de protesto no domingo contra o Supremo Tribunal Federal e o Congresso. Segundo Doria, “a politização da pandemia custa caro e custa vidas”.

SP não vai flexibilizar com taxa de isolamento abaixo de 50%

Doria disse mais uma vez que o Estado não irá adotar nenhuma medida de flexibilização da quarentena caso a média da taxa de isolamento social registrada pelo governo não estiver pelo menos entre 50% e 60%, números considerados seguros pela secretaria estadual de Saúde para reabrir alguns setores da economia em meio à pandemia do novo coronavírus.

Nesta terça, 5, São Paulo registrou um índice de 47% de adesão da população ao isolamento social em todo Estado, enquanto a capital paulista registrou 48%. “Em ambos os casos (Estado e capital), abaixo da média mínima desejada para qualquer análise futura sobre isolamento social”, afirmou o governador.

Segundo o secretário de Saúde de São Paulo, José Henrique Germann, houve um acréscimo de 3.800 novos casos de covid-19 no Estado, em aumento de 10%, além de mais 194 mortes confirmadas pela doença, representando uma alta de 7% nas últimas 24 horas. Ao todo, são 37.853 infectados e 3.045 óbitos em São Paulo. O secretário ainda informou que a ocupação de leitos de UTI voltados ao tratamento de infectados pela covid-19 no Estado é de 67%, enquanto a região da Grande São Paulo registra 86% de leitos ocupados.

Por ter ultrapassado a marca de 3 mil mortes pelo novo coronavírus, Doria informou que o governo estadual irá publicar um decreto amanhã (7) no Diário Oficial que determina luto oficial em São Paulo. A decisão, segundo o governador, terá validade até o fim da pandemia.