30 de maio de 2020 Atualizado 18:48

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

COVID-19

Corrupção e má gestão agravam situação no Amazonas

Atualmente, dois ex-secretários usam tornozeleira eletrônica e ex-gestores e empresários já foram presos na Operação Maus Caminhos

Por Agência Estado

13 Maio 2020 às 07:30 • Última atualização 13 Maio 2020 às 10:37

O quadro dramático na saúde do Amazonas, onde o novo coronavírus já matou mais de mil pessoas e infectou quase 13 mil até a manhã desta terça-feira (12), tem também motivos anteriores à pandemia. A Covid-19 atingiu um Estado com um sistema fragilizado por má gestão e desvios milionários de verbas, que ocorrem há vários governos, disse o presidente do Conselho de Medicina local, José Bernardes Sobrinho.

Desde 2016, o Operação Maus Caminhos, do MPF (Ministério Público Federal), investiga o mau uso de verbas. Atualmente, dois ex-secretários usam tornozeleira eletrônica e ex-gestores e empresários já foram presos. Atrasos em salários, que já são baixos, número reduzido de médicos e falta de investimentos completam o cenário que culminou com o desastre sanitário pelo qual passa o Estado. “Digo que é uma tragédia anunciada já há muito tempo. Há má gestão e subtração de recursos”, afirmou Bernardes Sobrinho.

As investigações de procuradores da República apontam o médico e empresário Mouhamad Moustafa, sócio e administrador da Salvare Serviços Médicos, como chefe de um esquema criminoso que desviou mais de R$ 100 milhões em recursos públicos. Até o início de março, Moustafa acumulava sete condenações criminais, que somavam 81 anos de cadeia.

Na mesma investigação também apareceram dois ex-secretários de Saúde – Pedro Elias e Wilson Alecrim -, além de funcionários públicos e políticos.

Os desvios ocorreram, conforme as apurações, no Instituto Novos Caminhos, organização social que geria unidades de saúde. As fraudes envolveriam pelo menos quatro empresas e contratos superfaturados. O MPF ajuizou dezenas de ações penais e de improbidade administrativa. Na época das denúncias, os acusados alegaram inocência.

A corrupção tornou críticas as condições de trabalho dos profissionais de saúde. Quase 2 mil dos infectados pela doença no Estado – mais de 10% do total – são trabalhadores do setor. Quinze morreram e, desses, cinco eram médicos, afirmou Bernardes Sobrinho. A contaminação massiva teria sido consequência de um erro: pacientes com suspeita da covid-19 não usavam máscaras ao serem atendidos. “Em locais bem estruturados, a mortalidade é pequena. Curitiba tem 1 mil UTIs. A ocupação até recentemente era de 31%”, disse.

Enterro de vítima da Covid-19 no cemitério Parque Tarumã, em Manaus (AM) – Foto: Amazônia Real

Segundo o Conselho Regional de Medicina local, em janeiro de 2019, o órgão contava com 5.114 médicos ativos inscritos. Em janeiro de 2020, o número caiu para menos de 4.865. “Tem uma evasão muito grande. Os médicos estão indo embora de Manaus. Por quê? Primeiro, condições de trabalho ruins. Segundo, o governo paga com três, quatro meses de atraso. Eles vão fazer pós-graduação em São Paulo e Rio e ficam.”

Bernardes Sobrinho disse ainda que a falta de UTIs agrava o problema. “Tem uma Sala Rosa no Hospital e Pronto Socorro 28 de Agosto em que todos estão esperando por uma vaga na UTI. Só que desses que estão na Sala Rosa, grande parte morre, não chegam lá. Há uma fila de sete, oito esperando lugar”, afirmou.

Quando há vaga, a escolha do paciente que vai ocupá-la é feita com base em critérios da Associação de Medicina Intensiva Brasileira (Amib), explicou. “É uma preocupação constante entre nós médicos. Eu sou médico, tenho dois filhos médicos, duas noras médicas e uma neta médica. Se eu ou minha família precisar de uma UTI, vou ter de fretar uma UTI aérea e ir embora para Ribeirão Preto, minha cidade, lá eu consigo UTI. Porque aqui a gente vai acabar morrendo”, disse. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.