20 de abril de 2021 Atualizado 19:18

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

PANDEMIA

Continuidade da fase emergencial é ‘bem provável’, diz chefe de comitê estadual

Apontamento foi feito por Paulo Menezes, coordenador do Centro de Contingência, que direciona o governo na tomada de decisões

Por Rodrigo Alonso

07 abr 2021 às 14:42 • Última atualização 07 abr 2021 às 18:58

A fase emergencial do Plano São Paulo de combate à pandemia deve ser prolongada pelo governo estadual para além do próximo dia 11. Segundo o coordenador do Centro de Contingência da Covid-19, o médico Paulo Menezes, a continuidade desta etapa “é bem provável”.

Ele falou sobre o assunto nesta quarta-feira (7), em entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes.

De acordo com Menezes, o comitê ainda avalia o prolongamento ou não da fase emergencial e vai bater o martelo somente nesta sexta – o grupo direciona o governo na tomada de decisões.

Paulo Menezes disse que o assunto ainda está sob avaliação – Foto: Governo do Estado de São Paulo

“É bem provável que nós continuemos com níveis de restrição que nós temos hoje por mais algum tempo, mas vamos aguardar os próximos dias”, disse o médico, que destacou, porém, a desaceleração dos índices.

Após 21 dias com a taxa de ocupação de UTIs (Unidades de Terapia Intensiva) acima de 90%, o Estado, agora, apresenta 89,8%. O número absoluto de internados também teve uma queda e, neste momento, está em 12.941. Na semana passada, havia superado a casa dos 13,5 mil.

Os dados foram divulgados pelo secretário estadual da Saúde, Jean Gorinchteyn. “Nós já estamos colhendo frutos daquilo que foi feito na fase vermelha e na fase emergencial”, afirmou.

Nesta terça, fez um mês que São Paulo entrou na fase vermelha, a mais restritiva até então. O governador João Doria (PSDB) endureceu ainda mais as medidas em 15 de março, quando houve o início da fase emergencial.

Mesmo assim, o Estado ainda enfrenta uma elevação na quantidade de mortes, tanto é que bateu novo recorde nesta terça, com o registro de 1.389 vítimas. O Centro de Contingência espera que a média diária de óbitos comece a cair a partir da segunda quinzena de abril.

Publicidade