Bolsonaro diz que vai combater ‘lixo marxista’ para melhorar educação

Um dia antes da cerimônia da posse, presidente eleito voltou às redes sociais para ligar baixas posições que o Brasil ocupa nos rankings ao socialismo


Um dia antes da cerimônia da posse, em Brasília, o presidente eleito Jair Bolsonaro voltou às redes sociais para ligar as baixas posições que o Brasil ocupa nos rankings mundiais de educação ao “lixo marxista” adotado nas instituições de ensino do País. Bolsonaro disse ainda que seu governo pretende “evoluir” e formar “cidadãos e não mais militantes políticos”.

Foto: Fernando Frazão / ABr
Bolsonaro disse que baixas colocações do Brasil em rankings mundiais de educação se devem ao ‘lixo marxista’ que segundo ele está presente nas escolas

“Uma das metas para tirarmos o Brasil das piores posições nos rankings de educação do mundo é combater o lixo marxista que se instalou nas instituições de ensino. Junto com o ministro de Educação e outros envolvidos vamos evoluir em formar cidadãos e não mais militantes políticos”, disse Bolsonaro em seu perfil no Twitter.

Uma das bandeiras mais antigas do futuro presidente, as críticas ao ensino no Brasil figuraram fortemente durante a campanha eleitoral e são um dos temas que mais movimentam a militância do capitão reformado do Exército.

Em linha com seu discurso, o político convidou Ricardo Vélez Rodriguez para o Ministério da Educação. O filósofo colombiano chegou ao cargo após a bancada evangélica vetar o nome de Mozart Neves, ligado ao Instituto Ayrton Sena, por considerá-lo um “esquerdista”. O futuro ministro é a favor do projeto Escola Sem Partido e já defendeu medidas como a instalação de conselhos de ética em instituições de ensino.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora

Receba nossa newsletter!