Consumo de vitaminas do complexo B e cognição em idosos

Um declínio da função cognitiva ocorre como uma parte natural do processo de envelhecimento. No entanto, […]


Um declínio da função cognitiva ocorre como uma parte natural do processo de envelhecimento. No entanto, um grau de prejuízo cognitivo pode ser influenciado por comportamentos de saúde modificáveis, incluindo a dieta e a nutrição. Baixos níveis de vitaminas do complexo B tem sido associado com um aumento nos níveis de homocisteína, a qual tem efeito neurotóxico direto. Vários estudos tem proposto que níveis elevados de homocisteína podem ser um fator de risco independente para um prejuízo na função cognitiva e na Doença de Alzheimer (DA).

O nível de vitaminas do complexo B no sangue, especialmente a B9 (folato), é afetado pelo consumo dietético. Estudos prospectivos e de caso-controle tem mostrado que um baixo consumo de vitaminas do complexo B está associao com o declínio cognitivo ou com um aumento no risco de DA. Outros estudos demosntram que a suplementação com B9, B6 e B12 melhoram a função cognitiva como a memória imediata e tardia, velocidade no processamento de informação e, velocidade senso-motora; e a suplementação de vitamina B12 em idosos com deficiência de cobalamina resulta em melhores scores de função motora.

Referências

KIM, H. et al. Association between intake of B vitamins and cognitive function in elderly Koreans with cognitive impairment, Nutrition Journal, v.13, n.118, 2014.

Por Joyce Rouvier

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora