"Nada Será Como Antes": Amor nos tempos do vídeo

Com liberdade e romantismo, estreia nesta terça-feira a minissérie "Nada Será Como Antes", que reconta a história da tevê no Brasil


Dentre as grandes modificações que o Brasil passou na virada dos anos 1950, a chegada da televisão foi uma das mais importantes. Novelas e programas de auditório ganharam vida em uma caixa quadrada e alteraram profundamente a interação entre o público, a programação e seus ídolos.

É neste cenário de criatividade, dinheiro, poder, egolatria e dramas passionais que se desenvolve “Nada Será Como Antes”, minissérie que estreia hoje, dia 27. “Nossa história é uma ficção baseada em fatos reais e com altas doses de liberdade criativa”, conta Guel Arraes, idealizador da produção ao lado de seus velhos parceiros Jorge Furtado e João Falcão.

A ideia central do trio foi contar uma história de amor onde fatos importantes da história nacional pudessem servir como pano de fundo. Além de fazer uma grande homenagem aos pioneiros e entusiastas da tevê.

Foto: Jorge_Carta Z Notícias
O ponto de partida da trama é a súbita paixão de Saulo por Verônica, de Murilo Benício e Débora Falabella

O ponto de partida da trama é a súbita paixão de Saulo por Verônica, personagens de Murilo Benício e Débora Falabella. Ele viaja pelo estado do Rio de Janeiro vendendo aparelhos de rádio e se encanta pela voz de uma locutora, vai atrás dela até a estação de rádio e se impressiona com sua beleza. Visionário, ele conta a Verônica sobre seu desejo de produzir uma novela e garante que realizará o desejo dela de se tornar atriz.

Uma década se passa. Saulo já é dono de uma emissora de rádio e Verônica é uma atriz reconhecida. Os problemas na vida do casal começam quando ele descobre que é estéril e não poderá realizar o desejo da esposa de ser mãe. O executivo, então, decide terminar o relacionamento sem revelar o verdadeiro motivo e focar no trabalho.

Ao lado de seu sócio e principal investidor, Otaviano, de Daniel de Oliveira, Saulo funda a TV Guanabara, local por onde passarão figuras do imaginário televisivo como o roteirista Aristides, de Bruno Garcia, o músico Davi, de Jesuíta Barbosa, e a aspirante a atriz Beatriz, de Bruna Marquezine.

Com direção de José Luiz Villamarim, “Nada Será Como Antes” segue um conceito diferente de produções de época mais tradicionais. Em vez de correr atrás de uma reconstituição perfeita, o diretor preferiu reunir o antigo e o contemporâneo. O resultado funciona como um convite ao telespectador por uma “viagem” ao mesmo tempo nova e regressiva.

Com gravações iniciadas em dezembro do ano passado, a minissérie passou por locações no Rio de Janeiro e grandiosos cenários dentro dos Estúdios Globo. O cenário da TV Guanabara exibe todo o requinte estético e investimento de “Nada Será Como Antes”. Feito em 360 graus, como um galpão, o espaço tem planta em formato de U, de forma que a câmera circule com fluidez pelos ambientes da emissora, provocando diferentes sequências e sensações. Geraldo Bessa_TV Press

 

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora