Publicitário é condenado por acidente

Ricardo Guimarães, que atingiu amigas na calçada de uma padaria na Av. Paulista, em 2013, vai prestar serviços comunitários
online pharmacy coupon code print free coupons new prescription coupon


A Justiça de Americana condenou o publicitário Ricardo Guimarães a 2 anos e 10 meses de detenção em regime aberto, além da suspensão do direito de dirigir pelo prazo de 1 ano e 2 meses, por ter atropelado Meire Cristina Pires de Lima e Tamiris Aparecida Paula na calçada de uma padaria na Avenida Paulista, em 28 de abril de 2013. . A pena, contudo, foi convertida na prestação de serviços comunitários pelo mesmo prazo. [\img]A Justiça ainda determinou que parte da fiança de R$ 67,8 mil, já paga pelo publicitário, seja destinada às vítimas. Ele terá o direito de recuperar pouco mais de R$ 10 mil desse valor depois que o processo transitar em julgado, ou seja, sem a possibilidade de novos recursos.

O acidente aconteceu em uma manhã de domingo, quando as duas vítimas e mais um amigo estavam em frente a uma padaria. O Citroen C4 do publicitário, que tem 34 anos, perdeu o controle, entrou na contramão e atropelou as duas. O amigo das vítimas escapou ileso. As jovens ainda disseram que o motorista demorou a socorrê-las. No dia do acidente, Guimarães chegou a dizer aos policiais que atenderam a ocorrência que havia dormido no volante. Após exame, a polícia identificou que o publicitário tinha 1,4 grama de álcool por litro de sangue, o equivalente a cinco latas de cerveja. Ele chegou a ser preso pela Gama, mas liberado após pagar a fiança máxima, equivalente a 100 salários mínimos na época.

Apesar de condenado pela Justiça, Guimarães recebeu sentença ainda menor do que sua defesa pediu. Depois de admitir ter bebido e cometido a lesão culposa, quando não se tem a intenção, o publicitário se ofereceu a pagar uma pensão vitalícia a Meire – a mais lesionada no acidente – e R$ 15 mil por uma prótese da perna. O rapaz ainda pediu a substituição da pena privativa de liberdade (prisão) por restritiva de direitos (cumprimento de pena em liberdade). A defesa de Guimarães pediu ainda que 85% da fiança fosse para as vítimas e 15% fossem retiradas por ele.

O juiz André Carlos de Oliveira determinou a divisão da fiança e prestação de serviços comunitários por dois anos e seis meses, suspendeu a CNH por um ano e dois meses, além do pagamento de pouco mais de R$ 2 mil pelas custas da ação. O juiz não determinou, por exemplo, o pagamento de pensão e disse que o valor oferecido pela prótese não atende ao pedido da vítima e não arbitrou.

A reportagem entrou em contato com Meire por telefone, mas ela não quis comentar o assunto. O advogado de Guimarães, Renan Farah -disse que pretende entrar com um embargo de declaração – documento que questiona pontos da sentença -, mas não antecipou o motivo.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora