Incêndio atinge indústria farmacêutica EMS

Bombeiros trabalharam na contenção das chamas que começaram a consumir a fábrica às 11h30


Um incêndio atingiu a indústria farmacêutica EMS neste sábado, em Hortolândia. Segundo a fábrica, ninguém se feriu. A empresa apontou, em nota, que “as causas estão sendo investigadas”. Bombeiros ouvidos pela reportagem disseram que, segundo a empresa, o fogo se originou de um curto-circuito. O problema teria ocorrido numa peça de computador.

{{vid}}

As chamas consumiram a área do almoxarifado por volta das 11h30 e foram controladas pelos bombeiros. Às 17 horas, a PM (Polícia Militar) informou que a ocorrência ainda estava em andamento, com a realização do rescaldo.

A fumaça invadiu os imóveis situados ao redor da indústria, o que motivou a evacuação dos moradores. A PM e a PMR (Polícia Militar Rodoviária) também bloquearam a circulação de veículos na Avenida da Emancipação, na região da EMS.

No momento do incêndio, cerca de 80 colaboradores trabalhavam no local. Todos conseguiram deixar a fábrica a tempo. “A Brigada de Emergência funcionou imediatamente, evacuando todos os espaços”, comunicou a EMS, por meio de sua assessoria de imprensa.

Foto: Rodrigo Alonso / O Liberal
O incêndio na empresa foi contido por volta das 15h30

Bombeiros de Hortolândia, Campinas e Monte Mor atuaram na contenção das chamas. “O Corpo de Bombeiros chegou ao local rapidamente”, ressaltou a empresa.

A Defesa Civil de Hortolândia ajudou na evacuação dos moradores. Também houve apoio da Defesa Civil de Paulínia. A equipe afastou os populares que, da Avenida da Emancipação, observavam o andamento da operação. Por volta das 15h30, quando o incêndio já estava contido, a PM liberou parcialmente a via, apenas no lado contrário à fábrica.

História

A implantação do complexo industrial da EMS em Hortolândia ocorreu em 1999. Na fábrica estão localizadas o Centro de Pesquisa e Desenvolvimento, inaugurado em 2002, considerado um dos maiores e mais modernos da América Latina, e unidade robotizada de embalagem de medicamentos sólidos, que passou a funcionar em 2013.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora