Dom Vilson solicitou dinheiro a dois padres para uso pessoal

Relatos de dois padres de Americana ao LIBERAL revelam solicitação de dinheiro feita pelo bispo diocesano, que não foi liberado


Duas pessoas afirmaram que o bispo de Limeira, dom Vilson Dias de Oliveira, pediu dinheiro de paróquias da região para bancar despesas particulares. Nos dois casos, a solicitação foi negada. Uma das pessoas é um padre ouvido pelo LIBERAL na tarde de ontem, que considerou o pedido, feito anos atrás, um abuso de poder do religioso. O outro é um ex-membro do Conselho Administrativo e Financeiro da então Matriz de Santo Antônio (hoje Basílica) de Americana. Ele já depôs à polícia na semana passada e disse que relatou o caso, que teria ocorrido em 2012, às autoridades. Neste episódio, a solicitação dos recursos foi feita para outro padre que consultou o Conselho.

Dom Vilson e o padre Pedro Leandro Ricardo, ex-reitor da Basílica, são investigados pela Polícia Civil. A polícia apura se Leandro abusou de menores e se desviou dinheiro da igreja. No caso de Vilson, as autoridades querem saber se ele pedia dinheiro das paróquias a padres (ou seja, doado por fiéis) para despesas particulares e se coagiu religiosos a testemunharem em favor de Pedro Leandro Ricardo em uma outra investigação de abuso sexual que já foi arquivada.

Foto: João Carlos Nascimento - O Liberal
Dom Vilson Dias de Oliveira pediu dinheiro de paróquias da região para bancar despesas particulares

A investigação policial foi aberta em janeiro pela Delegacia Seccional de Americana, por requisição do Ministério Público. O órgão recebeu uma denúncia anônima que relata episódios de desvio de dinheiro, extorsão e assédio sexual na igreja. Outras duas investigações estão em andamento em Araras (onde padre Leandro atuou antes de Americana) e Limeira (sede da Diocese).

Um dos casos descritos na denúncia ao MP aponta que, em julho de 2012, dom Vilson pediu R$ 50 mil para o padre Ângelo Rossi, então o pároco da Matriz de Santo Antônio. O objetivo seria pagar despesas particulares. Segundo a denúncia, padre Ângelo levou o pedido ao Conselho Administrativo e Financeiro da igreja, que decidiu rejeitar a solicitação. O LIBERAL ouviu um dos membros desse Conselho, que já depôs à polícia semana passada. Ele pediu para não ser identificado. “Votamos contra, porque ele alegou que era para uso particular.” Este ex-membro disse que foi a única vez em que um caso desse chegou às mãos do Conselho.

Em dezembro daquele ano, Ângelo Rossi foi para transferido para a cidade de Descalvado, como pároco emérito. Padre Leandro o substituiu.

O padre Ângelo já depôs, mas sua advogada afirmou que não poderia falar sobre o assunto porque o inquérito está sob segredo de Justiça. O LIBERAL não conseguiu contato direto com Ângelo.

O outro padre, este ouvido pelo LIBERAL ontem, pediu que nenhum detalhe da solicitação de dom Vilson fosse revelado. Ele teme ser identificado. Anos atrás, quando pediu o dinheiro, sempre segundo este padre, dom Vilson deixou claro que era para uso particular. O padre negou. Ele afirma que não foi convocado para depor pela polícia.

A assessoria de imprensa da Cúria de Limeira informou que a Diocese e o bispo não iriam se manifestar.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora