15 de agosto de 2019 Atualizado 09:42

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Brasil

PMs são flagrados por câmeras de rodovia e presos por homicídio

Militares informaram que vítima atirou durante abordagem, mas imagens mostram que ele já estava rendido quando foi baleado

Por Agência Estado

02 jan 2019 às 12:22 • Última atualização 02 jan 2019 às 14:03

Dois policiais militares foram presos em flagrante por matar um jovem de 17 anos nesta segunda-feira, 31, em Osasco, na Grande São Paulo. Os policiais, Mike Fritz Oliveira Gouveia, de 25 anos, e Fábio Luciano Silva, de 48 anos, afirmaram que a vítima, identificada como Thiago Celso Silva, teria atirado contra eles durante uma abordagem e, por isso, foi baleado. Mas as imagens de câmeras de segurança da Rodovia Castelo Branco desmentiram a versão e mostraram que Silva estava rendido no momento do disparo.

{{1}}

O crime ocorreu no km 17 da rodovia. Segundo o boletim de ocorrência, os policiais relataram que faziam um patrulhamento quando resolveram abordar três homens que estariam em atitude suspeita. Eles disseram que, ao se aproximar, dois fugiram e um terceiro foi em direção à rodovia, onde começou a atirar contra os PMs. Os policiais informaram que revidaram e atingiram o jovem.

Ao analisar as imagens das câmeras de segurança, ainda de acordo com o boletim de ocorrência, o delegado de plantão constatou que Silva não portava arma de fogo e já estava rendido. Um revólver foi encontrado no local do crime e foi apreendido, assim como as armas dos PMs.

A Polícia Militar informou, em nota, que acompanha o caso por meio de sua Corregedoria e que “não compactua com desvios de conduta, apurando todas as ocorrências com máximo rigor”. Os policiais militares estão presos no Presídio Militar Romão Gomes, à disposição da Justiça, e também vão responder pelos crimes na Justiça Militar. Eles podem ser expulsos da corporação.

Segundo a Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP), o caso foi registrado no 10º DP de Osasco como homicídio qualificado, denunciação caluniosa, fraude processual e localização/apreensão de objeto e será investigado pelo 4º DP.