Uber diz que vai parar de usar software para ‘enganar’ autoridades

Entre as técnicas utilizadas pelo software estavam a de rastrear cartões de créditos usados no aplicativo


O Uber anunciou na semana passada que vai parar de usar softwares para espionar autoridades e fiscais governamentais em cidades que está ilegal. A medida surge dias depois que uma reportagem do New York Times denunciou que a empresa utilizava a prática, conhecida como “greyball”, desde 2014.

Segundo o diretor de segurança do Uber, Joe Sullivan, a empresa começou a “revisar as formas que essa tecnologia já foi usada” e “vai expressamente proibir que ela seja utilizada contra reguladores locais”.

No texto, Sullivan diz que a ferramenta, que mostra uma versão diferente do aplicativo aos usuários, com “carros-fantasma”, é útil para evitar problemas com usuários que queiram causar danos ou para fazer testes de marketing. A empresa diz ainda que vai investigar as informações e responder aos questionamentos assim que possível, mas não pede desculpas pela prática.

Como funciona?

Quando um usuário marcado como suspeito (isto é, pertencente a um órgão de fiscalização oficial) pedia uma corrida, o Uber mostrava apenas “carros-fantasma” em seu aplicativo em uma versão falsa do aplicativo. Se por acaso o usuário suspeito conseguisse chamar uma corrida, o Uber entrava em contato com o motorista para cancelar a chamada antes de a viagem ser iniciada

Entre as técnicas utilizadas pelo software estavam a de rastrear cartões de créditos usados no aplicativo – se o cartão estivesse diretamente relacionado a uma instituição governamental ou um batalhão de polícia, o usuário não conseguiria fazer uma viagem.

Outro método, descreve a reportagem, é a de criar uma “cerca virtual” em torno de edifícios governamentais – dentro desses limites, a empresa observava se usuários estavam frequentemente abrindo e fechando o aplicativo, como se estivessem vigiando a quantidade de motoristas rodando no sistema.

Por vezes, fiscais de governos utilizavam diversos celulares para conseguir flagrar o Uber. Para se prevenir disso, a empresa mandava funcionários para lojas na cidade em questão e buscava pelos modelos mais baratos de smartphones no local – usados pelos órgãos de fiscalização por conta de orçamentos reduzidos. 

Notícias sobre a região, Brasil e o mundo em um clique. Receba nossa newsletter