Cadela é dispensada da CIA por falta de interesse no trabalho

Em seu site, a agência americana contou que o desinteresse começou após algumas semanas de treinamento


Foto: Reprodução - Twitter - CIA
Os treinadores tentaram de tudo com Lulu por vários dias e nada funcionou

Lulu é uma cadela que estava sendo treinada pela CIA para detectar explosivos, mas ela deixou o treinamento na metade porque não mostrou interesse nas atividades. Em seu site, a agência americana contou que o desinteresse começou após algumas semanas de treinamento.

Assim como os seres humanos, “todos os cachorros têm dias bons e ruins ao aprender algo novo” e que é normal que alguns filhotes ajam de forma preguiçosa ao aprenderem a encontrar os vestígios de explosivos durante um dia ou dois. Porém, no caso de Lulu, isso durou mais tempo.

“Pode haver milhões de razões pelas quais um cachorro em particular tem um dia ruim e os treinadores viram psicólogos de cachorros tentando adivinhar o que vai ajudar o animal a superar aquele problema. Às vezes, o filhote só está entediado e precisa de mais brincadeiras e desafios, às vezes precisa de um tempo de descanso e, na minoria das vezes, pode ser uma condição médica como alergia a algum alimento”, explica a CIA em seu site.

Foto: Reprodução - Twitter - CIA
Quando isso acontece, o cachorro é disponibilizado para adoção e, na maioria das vezes, os próprios treinadores os adotam

Entretanto, os treinadores tentaram de tudo com Lulu por vários dias e nada funcionou. Ali, ficou claro que o problema não era temporário e que aquele trabalho simplesmente não era para ela. “A principal preocupação de nossos treinadores é a condição física e mental dos nossos cachorros, então eles tomaram a difícil decisão de fazer o que era melhor para Lulu e optaram por tirá-la do programa”, diz a CIA.

Quando isso acontece, o cachorro é disponibilizado para adoção e, na maioria das vezes, os próprios treinadores os adotam – e foi exatamente isso o que aconteceu com Lulu. A cadelinha foi adotada por um de seus treinadores e agora vive feliz com outro labrador, brincando com crianças e correndo pelo quintal. “Nós vamos sentir falta de Lulu, mas essa foi a decisão correta para ela. Nós desejamos tudo de melhor em sua nova vida”, finalizou a CIA.

Notícias sobre a região, Brasil e o mundo em um clique. Receba nossa newsletter